Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

E agora, ó Poetas, que vos deixo de mim?


Foto de Jean Vigneault


E agora, ó Poetas, que vos deixo de mim?
Longas noites de insónias
De cabelos encostados
E olhares escorregadios
Neste meu odor de jasmim

Esqueci-me de dormir
Em cima das memórias
Que fui arrastando
No destino que não apaguei...

- ah, que esquecida eu sou, Poetas!

Nas minhas mãos dorme o sono de ontem
E deslizam-me os sorrisos
Em lençóis acetinados
Manchados de lágrimas
Dos dias em que me abafei de mim

- é tudo o que me resta, Poetas!

Este poema foi escrito pela Manuela Fonseca, mais uma amiga e uma autora cuja leitura recomendo.
A Manuela mantém três blogues. No blogue
http://manuela-guardadoradesonhos.blogspot.com temos música, poesia e prosa. Pequenas coisas que a Manuela gosta e que, acima de tudo, quer partilhar com os amigos. No blogue http://ensaios-poeticos.blogspot.com temos o grato prazer de conhecer a escrita da Manuela. Uma escrita que lhe dá prazer e que a nós delicia. No blogue http://encontro-encontrodeolhares.blogspot.com podemos encontrar as noticias acerca do evento que está a ser organizado pela Manuela com a ajuda de mais três amigos.