Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

O astro

Foto de Ada Ipenburg

Passaram alguns anos desde a última vez que nos vimos e as saudades teimam em não me deixar.
Fomos amigos, confidentes, quase amantes. Amava-te sem que o soubesse. Sem que tu soubesses.
Recordo agora que estavas presente em todos os momentos, desde que me levantava, quantas vezes ao pé de ti, até que nos voltávamos a deitar.
Confiava tanto em ti como em mim e era recíproco. Nenhum de nós seria capaz de prejudicar o outro. Nenhum de nós ousaria sequer magoar o outro, fosse como fosse, e eu acreditava piamente nisso.
Recordo, com amargura, tristeza e também alguma raiva, a noite em que este meu mundo se começou a desmoronar, em que o meu astro começou a perder a sua luz e o seu brilho intenso. Nessa noite pediste-me que acreditasse em ti, já que mais ninguém o tinha feito. E eu, cega, confiei, acreditei, sem duvidar sequer por um segundo da tua palavra. Bastava-me a tua voz, o teu olhar, que tanta segurança me davam.
Todos me avisaram que não era assim, que me estavas a enganar. Mas foi em ti que acreditei, porque eras tu o meu sol, a razão do meu sorriso.
Quando te confrontaram com a verdade, quando te fizeram confessar o que se estava a passar, eu estava lá. E a minha vontade foi desaparecer, morrer.
Não podia ser verdade! Não podia! Tu nunca me enganarias, jamais me mentirias... Só que tu confirmaste o que eu não queria ouvir, confessaste a verdade nua e crua que me dilacerou a alma.
Tu, que sempre me tinhas olhado nos olhos, não foste capaz de o fazer. Baixaste a cabeça e pediste-me desculpa...
Será que fazias alguma ideia do que me estavas a fazer? Será que fazes alguma ideia como, passados estes anos, ainda me sinto? Será que tinhas consciência de que me estavas a tatuar, naquele momento, a alma com um sofrimento irreparável?
Nesse dia perdi o amigo, o confidente, o companheiro… e perdi parte de mim… que nunca mais recuperei…

Dueto com a Vera Silva

Nota das autoras – o mistério subjacente a esta história poderá vir a ser desvendado. Quem sabe se não estarão a ler apenas o início... e quem sabe como acabará...