Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Poema de amor para uma mulher

Foto de Janusz Taras


Na janela aberta do teu peito
poisam os pássaros com fulgor
Em rubros lençóis de cama
a saudade pegou fogo à dor
essa que vive no leito
de quem sofre e ama

Vestiste-te de orvalho fino
cumprimentaste o dia-flor
No teu ventre de Mel puro
zumbiam as abelhas sem tino
à procura da memória do amor

Nomeaste as coisas para futuro
Terra, ar, fogo e água...
E do outro lado deste mundo
a saudade deixou de ser mágoa
a tem-te agora em meu peito fundo

Encontrei-te num canteiro
quando a tarde madura tombou
fui apicultor e jardineiro
de um beijo que alguém roubou


Este poema foi escrito pelo José Torres. Devem haver poucos autores como ele, uma vez que tanto escreve um fado em coisa de minutos, inspirado pela conversa do momento, crónicas, romances, contos, prosa, poesia….
É, seguramente, um dos autores de quem não perco de vista um único trabalho. E acreditem, deu-me uma trabalheira escolher o texto que aqui haveria de por. Escolhi este porque, segundo a explicação do José, é um poema de amor dedicado a todas as mulheres.
Visitem o blogue http://www.o-ente-do-ser.blogspot.com/ e vão conhecer mais sobre o José Torres e a sua escrita