Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Saudade

Foto de E J Clifford

Diz a lenda que esta palavra surgiu na época dos Descobrimentos para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe dos seus entes queridos.
Pode-se descrever como uma melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou acções, um desejo de rever ou possuir um bem especial.
Existe ainda uma outra lenda que diz que, por ser uma única palavra a definir uma mistura de sentimentos, é intraduzível. Aliás, para confirmar esta lenda, foi feita recentemente uma pesquisa entre tradutores britânicos que a considerou como a sétima mais difícil de traduzir.
No entanto há excepções a esta regra. Na língua romena, a palavra "dor” (a dor portuguesa traduz-se por “durere”). Em galego existem várias variantes, sendo que também é usada a palavra saudade (as variantes são soidade, morriña ou morrinha, estas duas últimas com um significado parcialmente coincidente). Em crioulo cabo-verdiano existe a palavra sodade ou sodadi.
Sabem, eu acho que a saudade não se define, sente-se. É saudade o que sinto quando me lembro do meu avô, que morreu há cinco anos e que me deixou um vazio no coração que ninguém consegue preencher. É saudade que sinto quando olho para o filho dum amigo que morreu de acidente de mota há seis anos… ou quando vou a casa da minha sogra e o meu sogro não está lá para nos receber.
Saudade é quando me lembro de amigos com quem não falo há bastante tempo, quando determinados cheiros me trazem à memória as minhas recordações de infância. Como é que posso definir, senão com a palavra saudade, o que sinto quando me lembro do tempo em que estava nos escuteiros, das nossas actividades, dos sábados que passávamos juntos e onde nasceram amizades que ainda hoje se mantêm?
Todos sentimos saudades de quando brincávamos na rua e os nossos pais podiam estar descansados que o pior que nos podia acontecer era magoar um joelho ou partir a cabeça.
E não será saudade o que um pai sente porque só pode estar com a filha que ama em alguns fins-de-semana, porque ela vive com a mãe noutra cidade?
E como poderemos definir o que sente uma professora quando entra na sala de aula e não encontra o aluno que lhe morreu nos braços?
Os meus filhos, ainda pequenos, já me perguntam o que é a saudade… Ouviram esta palavra e quiseram que eu a explicasse. Não consegui. Sei que um dia eles vão sentir saudades, e ai sim, vão perceber o que é. Mesmo que não a definam.