Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

A minha vizinha

 

Viver em comunidade não é fácil. Há quem nasça com essa vocação e pense no bem-estar geral em simultâneo com o bem-estar individual, podendo até, muitas vezes, pôr o bem-estar da comunidade à frente do seu próprio. Também há quem aprenda a ser assim, muitas vezes influenciado pelos vizinhos que acabam por se tornar amigos. Os problemas surgem quando algum indivíduo, membro dessa comunidade, não o sabe fazer. Nem quer aprender.
Apetece-me falar um bocado do meu prédio. Quer dizer, não do prédio onde eu vivo, mas sim dum prédio imaginário, onde se juntam histórias de mau convívio. Neste prédio, que tanto pode ter apartamentos como utilizadores, há de tudo para todos os gostos.
A minha vizinha acha-se dona do prédio. Então, tudo o que os outros decidam que vá contra a sua opinião, é boicotado por ela. Pode até nem ser nada de especial e ela até pode nem sequer ser afectada pela decisão. Mas se ela não concorda, então não se faz. Mesmo que ela seja a única a estar contra.
Tenho outra vizinha que não mede o que diz. Não tem qualquer pejo em ofender os outros, com ou sem razão. Acha que a qualidade é definida por ela e que, se ela não gosta, os outros também não podem gostar.
Já a vizinha do andar mais acima gosta, basicamente, de embirrar. Se está um dia de sol, ela diz que está de chuva. Se está frio ela diz que tem calor. Abrir as janelas nem por isso que faz corrente de ar. Mas se as deixamos fechadas então falta-lhe o ar.
Quanto à do andar de baixo, é a moralista de serviço. Não quer prejudicar ninguém, todos temos direito a opinião, não vale a pena discutir porque haveremos de chegar a um consenso… Mas, quando lhe pedimos que pague o que deve, faz-se de esquecida.
Subimos mais um andar e encontramos a vizinha que quer ser o centro das atenções. Mal de quem não a mimar com um olá ou uma visita. Anda no elevador para cima e para baixo à procura de quem a veja para poder aparecer. E quando não lhe dizem nada, daqui d’el rei que vem a casa abaixo.
Se descermos um piso, teremos à nossa espera a víbora, aí, perdão que me enganei, neste piso temos a vizinha que só sabe dizer mal. De tudo e de todos. Preferencialmente pelas costas porque, pela frente, diz bem do interlocutor. O que fica sempre bem, como é óbvio.
Estava a esquecer-me da vizinha do último andar. Esta jovem passa por nós no prédio e parece que todos lhe devemos e ninguém lhe paga. Nem um bom dia, nem um pequeno cumprimento. E, se for caso disso, até fecha a porta na cara dos vizinhos.
Já a vizinha do andar térreo defende, com unhas e dentes, que não tem nada a ver com o telhado. Afinal, com tantos andares por cima da casa dela, não faz sentido que lhe estejam a dizer que tem de tratar do telhado.
A vizinha do lado por mais que lhe peçam que tenha cuidado quando leva o lixo à rua, ou quando o cão sai de casa, ela não quer nem saber. Suja as escadas e o elevador com os pingos do lixo ou o cão faz as suas necessidades antes de chegar à rua e quem quiser que limpe.
Poderia continuar a falar-vos das minhas vizinhas. Destas que não sabem nem querem saber como se vive em comunidade. Nestas que vivem no meu prédio, no teu prédio ou até num qualquer site da internet. Porque os casos acima descritos podem-se passar tanto num prédio, como num site, como num emprego. Basta que haja uma comunidade. E pessoas que não a respeitam.
Não é difícil viver com os outros. Difícil é conviver com pessoas como as minhas vizinhas. Se respeitarmos os outros, se aceitarmos que podemos ter opiniões diferentes, se soubermos ouvir, se… quer dizer, no fundo, tantos ses resumem-se a respeito. Pelos outros. E ai sim, se todos se respeitassem e se dessem ao respeito, a vida em comunidade seria bastante mais agradável.

 

A minha vizinha


Viver em comunidade não é fácil. Há quem nasça com essa vocação e pense no bem-estar geral em simultâneo com o bem-estar individual, podendo até, muitas vezes, pôr o bem-estar da comunidade à frente do seu próprio. Também há quem aprenda a ser assim, muitas vezes influenciado pelos vizinhos que acabam por se tornar amigos. Os problemas surgem quando algum indivíduo, membro dessa comunidade, não o sabe fazer. Nem quer aprender.
Apetece-me falar um bocado do meu prédio. Quer dizer, não do prédio onde eu vivo, mas sim dum prédio imaginário, onde se juntam histórias de mau convívio. Neste prédio, que tanto pode ter apartamentos como utilizadores, há de tudo para todos os gostos.
A minha vizinha acha-se dona do prédio. Então, tudo o que os outros decidam que vá contra a sua opinião, é boicotado por ela. Pode até nem ser nada de especial e ela até pode nem sequer ser afectada pela decisão. Mas se ela não concorda, então não se faz. Mesmo que ela seja a única a estar contra.
Tenho outra vizinha que não mede o que diz. Não tem qualquer pejo em ofender os outros, com ou sem razão. Acha que a qualidade é definida por ela e que, se ela não gosta, os outros também não podem gostar.
Já a vizinha do andar mais acima gosta, basicamente, de embirrar. Se está um dia de sol, ela diz que está de chuva. Se está frio ela diz que tem calor. Abrir as janelas nem por isso que faz corrente de ar. Mas se as deixamos fechadas então falta-lhe o ar.
Quanto à do andar de baixo, é a moralista de serviço. Não quer prejudicar ninguém, todos temos direito a opinião, não vale a pena discutir porque haveremos de chegar a um consenso… Mas, quando lhe pedimos que pague o que deve, faz-se de esquecida.
Subimos mais um andar e encontramos a vizinha que quer ser o centro das atenções. Mal de quem não a mimar com um olá ou uma visita. Anda no elevador para cima e para baixo à procura de quem a veja para poder aparecer. E quando não lhe dizem nada, daqui d’el rei que vem a casa abaixo.
Se descermos um piso, teremos à nossa espera a víbora, aí, perdão que me enganei, neste piso temos a vizinha que só sabe dizer mal. De tudo e de todos. Preferencialmente pelas costas porque, pela frente, diz bem do interlocutor. O que fica sempre bem, como é óbvio.
Estava a esquecer-me da vizinha do último andar. Esta jovem passa por nós no prédio e parece que todos lhe devemos e ninguém lhe paga. Nem um bom dia, nem um pequeno cumprimento. E, se for caso disso, até fecha a porta na cara dos vizinhos.
Já a vizinha do andar térreo defende, com unhas e dentes, que não tem nada a ver com o telhado. Afinal, com tantos andares por cima da casa dela, não faz sentido que lhe estejam a dizer que tem de tratar do telhado.
A vizinha do lado por mais que lhe peçam que tenha cuidado quando leva o lixo à rua, ou quando o cão sai de casa, ela não quer nem saber. Suja as escadas e o elevador com os pingos do lixo ou o cão faz as suas necessidades antes de chegar à rua e quem quiser que limpe.
Poderia continuar a falar-vos das minhas vizinhas. Destas que não sabem nem querem saber como se vive em comunidade. Nestas que vivem no meu prédio, no teu prédio ou até num qualquer site da internet. Porque os casos acima descritos podem-se passar tanto num prédio, como num site, como num emprego. Basta que haja uma comunidade. E pessoas que não a respeitam.
Não é difícil viver com os outros. Difícil é conviver com pessoas como as minhas vizinhas. Se respeitarmos os outros, se aceitarmos que podemos ter opiniões diferentes, se soubermos ouvir, se… quer dizer, no fundo, tantos ses resumem-se a respeito. Pelos outros. E ai sim, se todos se respeitassem e se dessem ao respeito, a vida em comunidade seria bastante mais agradável.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D