Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Liebster Award

17551846_HabZw.png

 

Um dos blogs que leio com maior regularidade é o da M*. A primeira coisa que me levou a ler este blog foi o nome da autora. M* (quem me conhece e quem conhece a história da minha família sabe o quanto a letra M é importante para nós). Depois fui ficando sempre por lá. Pela autora mas também, e acima de tudo, pela qualidade do que escreve e pelos nossos interesses comuns (literatura, factor X, música, etc).

 

A M* ofereceu-me o Liebster Award desafiando-me a responder a algumas questões. E que tem algumas regras:

- Responder a todas as perguntas que foram sugeridas e referir o link do blog que nomeou;

- Nomear entre onze a vinte blogues com menos de duzentos seguidores;

- Não nomear quem nomeou;

- Obrigatório informar os blogs da nomeação;

- Fornecer aos bogs nomeados o link para o post em que foram nomeados (para que lhes seja explicado o que devem fazer).

 

Obrigado M* por mais esta distinção. E agora vamos lá responder às perguntas.

 

Qual o motivo que te levou a criar o blog?

Sabem, não fui eu que criei o meu blog. A história está num duns primeiros posts chamado O Nascimento. O blog nasceu na plataforma Blogspot (em 2008). Em Janeiro de 2010 e depois do meu blog ser “violado” por alguém sem escrúpulos, decidi mudar-me para o Sapoblogs – e em boa hora o fiz. Mudei-me de armas e bagagens, importei os textos e os comentários da antiga plataforma e pronto.

Já o deixei ao abandono algum tempo mas em Novembro de 2012 decidi reativá-lo. Primeiro a meio gás e agora todos os dias estou cá e obrigo-me a escrever (ao fim de semana nem tanto…)

 

Como te defines? Quais as três características marcantes em ti? E, quais os três aspectos negativos da tua personalidade?

Acho que a característica mais vincada da minha personalidade é a boa disposição. Mas também me considero acessível e compreensiva. Em contrapartida sou exigente (comigo e com os outros), respondona, faladora. Sou capaz de dar a camisa pelos amigos mas ai de quem me tentar enganar ou me tratar mal – desço do salto, rodo baiana e é melhor fugirem. Sou menina para pedir o livro de reclamações ou o livro dos elogios, conforme a forma como me atendem.

 

A tua viagem de sonho seria...

Quando eu digo o local onde sonho ir, todos me chamam maluca – como é que uma friorenta como tu quer ir a um sítio como esse? Pois... não sei. Só sei que gostava imenso de conhecer a Sibéria. Passear nas trundas. Sou maluca, eu sei.

 

Qual o filme, livro ou série que te define?

São dois os livros que me definem. Vida na Internet e Episódios Geométricos. Estes dois livros foram escritos por mim. O primeiro, Vida na Internet, a convite da Temas Originais sobre a minha experiencia na internet – como administradora dum site de poesia, o Luso-poemas, como bloguista e como utilizadora. O segundo, Episódios Geométricos, a convite da Lua de Marfim e é uma compilação de crónicas escritas por mim.

 

Qual o nome que darias a um filho? E a uma filha?

Qualquer nome na família tem de começar por M. Por isso, quando os meus filhos nasceram, ficaram a Margarida e o Martim. E nunca deixei que chamassem Guida à minha filha (além de não gostar, não começa por M). Quando muito podem chamá-la de Maggie…

 

Não saio de casa sem... (algo que nunca, mas nunca pode faltar na mala)

Um livro, os óculos, os dois telemóveis, as gotas para desentupir o nariz e os lenços de papel.

 

A peça de vestuário que mais se identifica comigo é... (vestido, calças, sapatos de salto alto, ténis...)

Sandálias, sem dúvida

 

Um post de outro blog com que me identifico... (que tenha sido escrito por outro blogger)

Identifico-me muito com dois textos de dois blogs diferentes. Feminismo, esse palavrão da Sara e Dos medos, da saudade e da solidão. da M*

 

O que achas deste género de desafios?

Gosto imenso pela oportunidade de conhecer melhor os/as autores/as dos blogs que visitamos.

 

Ao longo do teu percurso escolar, qual a disciplina que mais gostavas? E porque? 

Temos aqui um problema. Sempre fui calinas na escola e sempre aprendi mais depressa quando não estava obrigada a isso. Mas sempre me fascinei pela contabilidade. Não é daquelas coisas que se consiga explicar porque (é como a minha paixão pela Sibéria – fazem parte de mim).

 

Qual a tua personagem ou época histórica preferida? Porque?

São duas as personagens históricas favoritas – Kennedy (o presidente) e Diana (a princesa). Talvez pelos percursos de vida, pelas ideias inovadoras para as respectivas épocas e pela morte prematura.

 

Vem agora a parte mais difícil. Nomear outros blogs. É mais difícil pela simples razão que quase todos os blogs que costumo visitar já responderam a este desafio. Por isso vou nomear e pronto. Se já responderam, paciência, se não responderam aproveitem agora. As perguntas podem ser as mesmas que a M* me fez, achei que eram interessantes.


Então os nomeados são:

A Miúda

araparigadoautocarro

Bata e Batom

Cantinho da Carlota

Da vida de Pi

Desabafos Agridoces

Desabafos da Nathy ®. ❀

Elsanna by Mafalda M.

life Inc.

just_smiiile

Mar Português

Marrocos e o destino

Sofia Margarida

Um Mar de Pensamentos

Valem Palavras

wideawake_mmendes

As chamadas do Nilton

Quem me conhece sabe que sou uma moça de riso fácil, que adora rir, que vai rapidamente às lágrimas com o riso e para quem as melhores séries e filmes têm de ter uma parte de humor, por mais sérias e dramáticas que sejam. Quem me conhece também sabe que estou sempre pronta a rir-me dos disparates que cometo – até porque só depois de me rir de mim é que me posso rir dos outros.

Mas… há um limite. E esse limite é passado quando as pessoas estão a dar o seu melhor no local de trabalho e são confrontadas com chamadas falsas. Para além da linha estar a ser ocupada para brincadeiras quando poderia ser usada para questões sérias, está-se a gozar com quem está a tentar prestar um serviço. E o Nilton faz isso quase diariamente, na RFM e há quem aplauda.

Há uns tempos atrás foi uma chamada para uma esquadra de polícia. Não me recordo da situação em que a polícia foi colocada mas a verdade é que, nos 10 a 15 minutos que a chamada demorou, esteve um agente da autoridade a ser gozado por um (pseudo) humorista e esteve uma linha telefónica ocupada. Imaginem que alguém tentava, nesse período, ligar para a esquadra para fazer queixa dum crime? Não o podia fazer porque o Nilton estava a brincar.

Hoje foi uma chamada para um call center duma qualquer empresa de telecomunicações. Nilton, usando a piada fácil, dizia que tinha posto uma música que “não me toca” do Anselmo Ralph e que não percebia o que se passava. O rapaz (palmas para ele que agiu sempre com a maior das calmas) tentava explicar o que deveria fazer para que a música tocasse, mas Nilton insistia que a música “não me toca”. Não teve, quanto a mim, a menor piada (pode ser defeito meu, e até admito que sim) e senti que o rapaz estava a ser gozado duma forma baixa e sem qualquer razão para isso. Isto não é humor. É gozo.

Todos sabemos de histórias passadas em call centers, com clientes que não se explicam, não entendem, não sabem o suficiente para conseguir fazer as coisas mais básicas. Eu também sei algumas e já fui protagonista noutras – quem lida, diariamente, com público, tem sempre uma ou outra história divertida para contar. A essas eu acho piada e até me rio – mais uma vez, acho que tenho o direito de me rir com elas porque também me rio quando sou eu a cometer o disparate. Em nenhum destes casos a situação é provocada para colocar o outro em desvantagem, são situações reais.

Nilton, nunca irás ler isto, ou muito dificilmente o farás. Mas gostava que soubesses que, a mim, o que não me toca, não é o som do telemóvel. São estas piadas sem graça, em que gozas com quem está a prestar um serviço. Já um dia gostei de te ouvir, hoje mudo a rádio quando te ouço. Volta a ser o humorista que eras e, de certeza, que terás muito mais sucesso. Experimenta. Não é difícil.