Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Flightradar

voos.png

Que atire a primeira pedra ou farpa quem não fica assustado cada vez que cai um avião. Ninguém? pois, foi o que pensei.

Consciente ou inconscientemente, é um receio que vem ao de cima sempre que há um acidente, seja ele deliberado ou não.

Já o disse aqui, não sou particularmente fã de viagens de avião. Gosto de viajar e de passear mas, sempre que possível, com os pés assentes na terra. Literalmente assentes na terra. Mas não é por isso que deixo de o fazer – o gosto por viajar é superior ao receio do avião.

E será que o avião é mesmo seguro? E se é seguro, porque é que há tantos acidentes e são sempre notícia?

A resposta na foto acima. Cada imagem é um avião que estava a circular no espaço aéreo deste terceiro calhau a contar do sol às 11h47 a.m.. Conseguem contá-los? Pois, eu também não. Por cima da Europa e por cima dos Estados Unidos são aos milhares a voar ao mesmo tempo. São tantos que ficamos a pensar – como é que não há mais acidentes?

Já desconfiava desta realidade, do número imenso de voos que acontecem diariamente mas hoje, no site Flightradar deu para ver.

Nesse site, que acho fabulástico, pode-se ainda acompanhar um voo qualquer, desde que levanta voo até que aterra. E se clicarmos no avião que o representa, na lateral, podem ver a altitude, a velocidade, a foto do avião, a origem e o destino. Muito útil para quem, por exemplo, vai ao aeroporto buscar alguém – basta consultar o Flightradar e, com uma margem de segundos, sabe a hora de chegada do avião – em segurança, como se espera que aconteça sempre.

Confesso que fiquei fã!

Coisas parvas #2

Untitled.png

Fui, à hora de almoço, a uma ordem profissional buscar um certificado de um novo membro.

Cheguei à portaria e o jovem sentado na secretária perguntou-me ao que ia e eu lá lhe expliquei. Pediu-me o número do certificado que eu, prontamente, forneci. Tentei entregar-lhe a carta que me autorizava a levantar o dito ao que o jovem me respondeu:

- Quem lhe vai entregar o certificado é a minha colega que está na sala, ao fundo.

E lá fui eu para a sala ao fundo. Expliquei, mais uma vez ao que ia e a senhora pediu-me o número do certificado que eu, prontamente, forneci. Tentei entregar-lhe a carta que me autorizava a levantar o dito ao que a senhora me respondeu:

- Quem lhe vai entregar o certificado é um colega meu que vou agora chamar pelo telefone.

Certo...Porque o senhor que estava na entrada não podia telefonar directamente para a pessoa que efectivamente entregava o certificado...

(ando eu e mais uns quantos a pagar quotas para isto... pelos vistos esta ordem está tão preocupada com o desemprego que tem estas burocracias todas para justificar mais postos de trabalho. 

Ou então não...)

Viagem ao Infinito (A teoria de tudo)

template_marcado1r.jpg

Viagem ao Infinito de Jane Hawking

Editado em 2015 pela Marcador

ISBN: 9789897541278
 
Sinopse
O professor Stephen Hawking é um dos cientistas mais notáveis e famosos da nossa era, e autor do bestseller científico A Brief History of Time, que já vendeu mais de 25 milhões de exemplares. Nestas fascinantes memórias, Jane Hawking, a primeira mulher de Stephen Hawking, apresenta-nos a história do seu extraordinário casamento vista por dentro. Enquanto o prestígio académico de Stephen disparava, o seu corpo cedia aos assaltos da doença neuromotora, e o relato franco de Jane, em que descreve como tentava equilibrar os cuidados constantes que o marido exigia com as necessidades de uma família em crescimento, será uma inspiração para todos.
 
A minha opinião
Viagem ao Infinito não é, seguramente, o melhor livro que li. Mas também não é o pior, até porque o li todo, de seguida, sem pensar em desistir - como já aconteceu noutros casos. Admito, como já me disse a Nathy, que o filme seja bastante melhor - apesar de ainda não o ter visto. É o que acontece, por norma, com as biografias. Os livros tornam-se cansativos para quem não aprecia o género.
Como qualquer biografia, a história é contada na primeira pessoa, com poucos ou nenhuns diálogos, o que, para alguns, pode perder o interesse. Eu não desgosto de ler biografias, principalmente intensas como é este caso.
Esta podia ser a história de qualquer um de nós - rapaz e rapariga conhecem-se, apaixonam-se, casam-se e tem filhos. As dificuldades duma vida a dois que todos passamos, o inicio de uma vida com dificuldades financeiras. Só que, neste caso, todo é agravado pelo facto de Stephen ter uma doença neuromotora que o pode matar a todo o momento e que, enquanto não o faz, o impede de ter uma vida normal. Para além disso, a sua necessidade de ser o centro das atenções em detrimento de quem o ama, torna a situação ainda mais incontrolável.
Jane, a rapariga, mostra-nos como é viver com um homem que é grande na sua genialidade mas não sabe o que é a gratidão. Confesso que uma das partes que mais me fez confusão (entre outras) foi quando Jane organiza uma festa em honra de Stephen, para comemorar mais um prémio, e, no seu discurso, Stephen agradece aos colegas, aos amigos, a todos, mas nunca menciona a mulher nem os filhos.
Se admiro imenso o físico Stephen Hawking por todas as descobertas e por ter conseguido combater a doença, depois da leitura deste livro, o homem por detrás desse cientista torna-se quase detestável. E é por isto que eu gosto de ler biografias, para perceber quem são, de facto, as pessoas por detrás dos nomes.

Qual é o seu Tipo de Inteligência?

18121626_ZqwL5.jpeg

O fim de semana de respostas a desafios não podia estar completo sem responder a este que a Barbara me deixou no blog dela.

É um teste para tentar perceber qual o meu tipo de inteligência. Em cada pergunta podem escolher-se 2 ou 3 alíneas mas preferencialmente só uma. Ora vamos lá a isto:

1. Os melhores momentos que recorda da escola são:

(  ) a) A declamação de um verso para amigos e colegas.

(x) b) Fui o mais rápido a completar um exercício de matemática.

(  ) c) A representação de uma peça de teatro.

(  ) d) Explicava muito bem aos meus colegas onde ficava e como poderiam ir até minha casa.

(  ) e) Fazia concertos musicais de que todos gostavam.

(x) f)Todos os meus amigos vinham ter comigo para desabafar sobre os problemas deles e eu conseguia exprimir facilmente o que sentia quando se zangavam comigo.

(  ) g) Fazia desenhos com que as pessoas ficavam admiradas.

(  ) h) Adorava fazer reciclagens.

2. No Ensino Secundário gostava de:

(  ) a) Imitar cantores famosos.

(  ) b) Entregar-me de corpo e alma a todas as paixões e pensava que seriam eternas.

(x) c) Perdia-me em visitas a museus.

(  ) d) Explorar com a minha bicicleta (ou outros meios) por todos os cantos da cidade.

(x) e) Participar em jogos de palavras de grupo e debates polémicos a respeito de opiniões.

(  ) f) Realizar jogos de grupo com cálculos mentais.

(  ) g) Aventurar-me a desmontar objectos ou electrodomésticos de lá de casa.

(  ) h) Executar jogos imaginários com viagens fantásticas.

3. Quando preciso de descontrair ou de relaxar:

(  ) a) Desenho aleatoriamente.

(  ) b) Vou caminhar na natureza.

(x) c) Gosto de escrever.

(  ) d) Faço puzzles.

(  ) e) Ouço música no volume mais alto possível.

( ) f) Desabafo com os amigos.

(  ) g) Danço sem parar.

(  ) h) Distraio-me a arrumar objectos de casa.

4. Uma boa forma de me entreter num encontro amoroso é:

(x) a) Fazer um passeio de barco a dois.

(x) b) Ter uma boa discussão sobre uma assunto actual.

(  ) c) Passear num museu de arte contemporânea.

(  ) d) Enumerar factos importantes.

(  ) e) Uma boa conversa a dois de entreajuda.

(  ) f) Um bom momento de expressão corporal, como dançar, participar numa peça de teatro.

(  ) g) Fazer um puzzle de 3D.

(  ) h) Ouvir uma música a dois sentados no carro.

5. As melhores férias possíveis:

(x) a) Passear em diferentes espaços da natureza.

(  ) b) Fazer palavras cruzadas ou sudoku.

(  ) c) Estar num lugar tranquilo para escrever o livro da minha vida.

(  ) d)  Realizar longos passeios a pé.

(x) e) Conviver, sair e divertir-me com os meus amigos.

(  ) f) Ouvir concertos de música que nunca ouvi.

(  ) g)  Desenhar num lugar tranquilo

(  ) h) Apreciar as estruturas arquitectónicas dos locais que visito.

6. Uso a internet para:

(  ) a) Utilizar chats de conversa para conhecer pessoas e novas realidades.

(  ) b) Realizar jogos de Arcádia.

(  ) c) Explorar cidades pelo street view.

(x) d) Pesquisar textos de autores desconhecidos.

(  ) e) Apreciar danças em diversos vídeos.

(  ) f) Analisar novas formas de arte.

(  ) g) Explorar novos cantores, novas músicas e novos ritmos.

(  ) h) Ouvir músicas que me reportam a passeios na natureza.

7. Se comprar um carro, o que mais tenho em conta é:

(  ) a) Perceber o seu funcionamento binário.

(x) b) Se me sinto confortável no banco.

(  ) c) O espaço que tem o habitáculo.

(  ) d) Se os meus amigos vão gostar de me ver nele.

(  ) e) As linhas aerodinâmicas do veículo.

(x) f) O consumo/gastos e a emissão de gases poluentes.

( ) g) Ler o manual.

(  ) h) O barulho do motor.

8. Quando tenho um problema resolvo-o a:

(x) a) Caminhar para desanuviar a cabeça.

(  ) b) Escrever missivas sobre o assunto.

(x) c) Enumerar e recapitular diferentes acontecimentos idênticos porque já passei no passado.

(  ) d) Pinto.

(  ) e) Jogo xadrez.

(  ) f) Vou-me entreter com a terra (plantar, cavar, semear) ou caminhar sobre a relva.

(  ) g) Falo horas a fio sobre o mesmo.

(  ) h) Danço ao som da música até me cansar e não pensar mais no problema.

9. Eu classifico a minha maneira de ser como:

(  ) a) Detalhista.

(  ) b) Musical.

(  ) c) Artista.

(  ) d) Comunicativo.

(  ) e) Ágil.

(  ) f) Ecologista.

(  ) g) Amigo ou sensível.

(x) h) Racional.

10. Gosto de aprender através de:

(x) a) Passear na natureza.

(  ) b) Expressão artística.

(  ) c) Discussão de casos pessoais.

(  ) d) Histórias e músicas.

(  ) e) Actividades estruturadas passo a passo.

( ) f) Demonstrações e experiências.

(  ) g) Exercícios de análise de factos, dados e números.

(x) h) Ler livros.

Confira o seu tipo de inteligência 

Perguntas12345678910
a)AEGHHFBCDH
b)BFHABBCAEG
c)CGAGADDBGF
d)DHBBCAFGAE
e)EAEFFCGDCD
f)FBFCEGHHHC
g)GCCDGEAFFB
h)HDDEDHEEBA
 

A letra em que obtiver maior número de respostas será a que corresponde ao seu tipo de inteligência mais desenvolvido.

A

Inteligência Verbal ou Linguística:
Habilidade para lidar criativamente com as palavras, tanto em expressão oral como escrita; possivelmente é a mais fácil de se compreender numa pessoa, pois a forma de comunicação verbal é um modo de expressão das habilidades de cada um. Este tipo manifesta-se em escritores, oradores, políticos, formadores, professores, pessoas que elaborem relatórios, cartas comerciais, petições judiciais,e outros documentos que exijam uma clara redacção de texto.

B

Inteligência Lógico-Matemática:

Competência para desenvolver e ou acompanhar sequências de raciocínios, resolver problemas lógicos, capacidade para solucionar problemas envolvendo números e demais elementos matemáticos. Não está relacionado apenas com cálculos, mas também com a resolução de problemas que envolvam lógica ou raciocínio lógico e habilidades para raciocínio dedutivo. Este tipo manifesta-se em matemáticos, engenheiros e físicos, mas também em advogados aquando da defesa dos seus clientes.

 C

Inteligência Cinestésica-Corporal:

Capacidade de usar o próprio corpo de modo diferente e hábil, na expressão corporal, bem como na resolução de determinados problemas que exijam essa intervenção; por exemplo atletas, mímicos, dançarinos, pugilistas, jogadores de futebol (não só o pé mas também o corpo).

D

Inteligência Espacial:

Noção de espaço e direcção, capacidade de extrapolar situações espaciais para o concreto e vice-versa, possuindo grande percepção e relacionamento com o espaço. São exemplo deste tipo de inteligência arquitectos, navegadores, cirurgiões, quem tem uma boa orientação no espaço e não se perde numa cidade quando a conhece ou se orienta bem com o mapa.

E

Inteligência Musical:

Capacidade de organizar sons de maneira criativa; de interpretar, escrever, ler e expressar-se pela música. As pessoas que gostam de oferecer música ou que a associam a determinadas fases da sua vida possuem esta inteligência emocional mais desenvolvida, bem como todos os compositores, alguns muito famosos, e quem toca de ouvido sem conhecer a partitura.

F

Inteligência Pessoal:

Aqui são englobados os dois tipos de Gardner:

a) Inteligência Interpessoal: habilidade de compreender os outros; a maneira de aceitar e de conviver com o outro; comunicar de forma adequada com os outros, motivando-os, incentivando-os e dirigindo-os, Temos os exemplos de alguns professores, líderes, psicólogos, médicos, etc.

b) Inteligência Intrapessoal: capacidade de relacionamento consigo mesmo, de autoconhecimento, de entrar em contacto com o seu próprio "eu", de se auto-avaliar e reconhecer os seus pontos fortes e fracos, capacidade de descrever os seus próprios sentimentos e emoções. Habilidade de administrar sentimentos e emoções a favor dos seus projectos. É a inteligência pertinente para a auto-estima devido à importância do conhecimento de si mesmo; identificando os pontos fortes e fracos reconhecem-se as falhas e pode-se adoptar um melhor comportamento.

G

Inteligência Pictográfica:

Habilidade que a pessoa tem de transmitir uma mensagem por um desenho que faz, pela arte e pelo grafismo, e de resolver problemas por esta via de comunicação. Esta inteligência é mais desenvolvida em crianças, que não sabem ler, como modo de se manifestarem, mas posteriormente poderão perdê-la com a aprendizagem da leitura e da escrita . Génios da pintura e da arquitectura são exemplos desta inteligência.

H

Inteligência Naturalista:

Capacidade de uma pessoa se sentir um elemento natural, de distinguir as diferenças no campo da natureza, reconhecendo, respeitando e estudando outros tipos de vida. Temos exemplos desta inteligência no biólogos, ecologistas, naturopatas, homeopatas ou outros que gostem de utilizar os proveitos da natureza.

Os meus resultados:

A - 5

B - 3

C - 2

D - 0

E - 0

F - 2

G - 1

H - 4

Ora parece que eu estou entre a Inteligência Verbal/Linguística e a Inteligência Naturalista. Penso que não estará muito longe da verdade, de facto.

7 Memórias Especiais da Minha Infância

Sem Título.jpg

Este desafio da M* faz-me ir aos baús da minha infância, que foi pr'aí... no século passado. ehehhehe

Ora portanto cá vai:

Um Filme

Música no Coração e Mary Poppins

É-me impossível escolher um deles. Ambos fizeram parte da minha infancia e ainda hoje, aos 45 anos, gosto de os ver. Apesar de saber os diálogos e as músicas de cor.

Um Desenho Animado

Heidi e Era Uma Vez

Heidi, a história duma menina que vai viver, nas montanhas com o seu avó e que, com o seu amigo Pedro, vive imensas aventuras. Era uma vez, uma série de desenhos animados que nos permitia aprender enquanto nos divirtiamos.

Uma Música

A música do Marco, dos desenhos animados.

Uma Brincadeira 

Monopólio e Petróleo. Dois jogos de tabuleiro. Eramos capazes de passar tardes inteiras a jogar, sem nos cansarmos.

Um Amigo

O meu irmão, filho de pai e mãe diferentes dos meus

Um Momento Especial

A inauguração do parque infantil nas traseiras da casa da minha avó. De dia fomos nós, as crianças, que nos divertimos por lá. Depois do jantar levamos os nossos pais e foram eles que andaram no baloiço e no escorrega.

Um Sonho

Ter uma biblioteca só para mim.

 

Quem quiser responder a este desafio, sinta-se á vontade.

9 Perguntas para Bloggers do Sapo

18140234_vHSls.png

Mais um desafio, desta vez pelas meninas Sofia Costa, M* e Vanessa Moreira.

O que vos levou a criar um blog?

Já o contei aqui. Até 2007 eu não escrevia. Quer dizer, escrevia o que todos escrevemos, claro (com muito ênfase para actas de condomínios…) mas não de forma criativa. Em 2007, e enquanto frequentadora e comentadora assídua do Luso-poemas.net, fui sendo desafiada por outros utilizadores para passar a publicar textos meus. Com alguma dificuldade lá cedi e comecei a escrever naquele site. Mais tarde, já em 2008, eu e mais um grupo de amigos estávamos a organizar um evento e todos – excepto eu – tinham um blog. Daí que, numa determinada noite, eles decidiram que eu devia ter blog e foram eles que o criaram, no Blogspot. 

Porquê a escolha do Sapo?

O blog nasceu na Blogspot mas, em 2010,a alguém o violou. E eu optei por me mudar, de armas e bagagens, para o Sapo. E é aqui que me sinto em casa - pelo apoio personalizado, pela possibilidade de conversar com os outros utilizadores através dos comentários, pela extraordinária área de leituras ao dispor de cada utilizador, pelos destaques que nos permitem conhecer outros blogs, etc.  

Notam alguma evolução na vossa escrita desde que começaram até hoje?

Inicialmente pedia a alguém um título e depois divagava (bem ou mal) sobre esse tema. Hoje em dia divago sobre o que me dá na cabeça – pode ser uma conversa no táxi, uma resposta engraçada dos meus filhos, uma notícia ou a minha opinião sobre um livro que acabei de ler – entre outras coisas.

Sobre que temas mais gostam de falar?

Todos. Livros, actualidade, noticias, conversas, etc 

Quais eram as vossas expectativas quando criaram o blog e de que forma têm vindo a ser concretizadas?

Não tinha nenhuma, por isso é tudo ganho

Houve algum episódio caricato que tenha acontecido enquanto bloggers?

Nada, até agora.

Notam alguma diferença entre os blogs mais antigos e os criados na actualidade?

Nem por isso. O principio é sempre o mesmo

Podem-se fazer amizades através dos blogs?

Claro. O clube das pistosgas é a prova disso (o clube das pistosgas sou eu, a M*, a Sofia Margarida e a Nathy).

Quais os vossos desejos bloguísticos para o futuro?

Apenas manter o blog. Nada mais.

 

Quem quiser responder, esteja à vontade.

Bota cá p'ra fora essa sinceridade!

blogger-image-699158710.jpg

Desta vez foi a Mafalda M. que me desafiou para esta tag, Bota cá para fora essa sinceridade. Por isso vamos lá a isto.

1. Qual o tipo de post que mais gostas de ler? 

Sobre livros, actualidade, desabafos, vida, humor, generalistas... enfim, praticamente tudo excepto maquilhagem e moda.

2. Comentas todos os posts que lês?

Não. Se o fizesse não tinha tempo para ler mais. Além de que, muitas vezes, leio no telemóvel, em trânsito e é complicado comentar através do telefone.

3. O que representa para ti um post com muitos comentários?

Nada de especial. Pode ser só porque mantive uma conversa interessante com algum leitor. É que eu faço questão de responder a todos os que me comentam.

4. O que te afasta num design do blog?

Cores berrantes e muitas imagens pesadas

5. O que gostas menos na blogosfera?

A quantidade de gente que se considera perfeita e que os outros são inferiores. A quantidade de casas e famílias que parecem de plástico - sem uma coisa fora do sítio e com crianças excepcionalmente bem comportadas. 

6. O que gostas mais na blogosfera?

A interacção que podemos ter com outros, principalmente aqui no sapo, como já expliquei em Eu & os blogs

7. Quais são para ti os melhores momentos de um(a) blogger? 

Os destaques que os outros bloggers nos dão. 

8. Blog favorito?

São vários. No post Eu & os outros estão alguns, quem me nomeou para esta tag também. Mas há mais, muitos mais. Sigo quase 125 autores que publicam com alguma regulariedade e por isso fica dificil dizer quais os meus favoritos. 

9. O que representam para ti os haters?

O que é isso?

10. O que achas desta tag?

Mais uma tag interessante e que permite conhecermo-nos melhor a nós e aos outros.

Liebster Award #4

18147239_2qj3n.jpeg

Este desafio voltou e desta vez fui nomeada por três bloguistas. Esta TAG consiste em 6 passos:

  1. Escrever 11 factos sobre ti próprio.
  2. Responder às perguntas que te colocaram.
  3. Nomear 11 blogs com menos de 200 seguidores.
  4. Fazer 11 perguntas a esses blogs nomeados.
  5. Colocar a foto da Tag Liebster Award no post.
  6. Enviar o link do post a quem te nomeou.

Ora como foram três nomeações, vamos lá fazer isto por partes. Primeiro os 11 factos sobre mim, que são comuns a todos.

  1. Sou dorminhoca;
  2. Sou uma booklover (calculo que esta informação seja uma completa surpresa para quem me acompanha regularmente. Ou então não...);
  3. Só me rio por duas razões: por tudo e por nada;
  4. Amo a minha Família e os meus animais;
  5. Gosto do que faço profissionalmente;
  6. A bem todos me levam. Se for a mal... a Bruxa Má vem ao de cima;
  7. Tenho amigos que o são desde que me lembro.
  8. Gosto do curso que tirei (contabilidade) apesar de nunca o ter exercido;
  9. Pode o pobre ficar sem pão, mas eu não fico sem dar resposta - e isto é válido para o bem e para o mal
  10. Não gosto de cozinhar (e parece que os meus filhos não gostam que eu cozinhe),
  11. Gosto de viajar

Pronto, e agora as perguntas que me fizeram:

As da M* foram estas:

1. Um som de infância...?

O assobio do meu avô

2. Impossível esquecer o quê ou quem?

Os meus avós maternos e o meu bisavô materno

3. Um cantinho em Portugal...?

Sesimbra, sem dúvida.

4. Qual o maior arrependimento que guardas?

As coisas que não fiz. 

5. Qual a parte em ti que mais gostas?

Os olhos.

6. A tua maior conquista até hoje...?

O meu emprego. Em 1990, a minha chefe da altura embirrou comigo e eu fui mudada de secção com instruções para ser mandada embora no final do contrato de estágio. Felizmente todos se aperceberam que afinal eu era boa profissional e acabei por ficar. Ainda lá estou.

7. Um desenho animado de infância...?

Heidi ou Era uma vez...

8. Viagem de sonho...?

À Sibéria. Sim, sim, não é frio, é gelado. Mas ninguém disse que eu era normal pois não?

9. A lição mais importante que a vida te ensinou até hoje?

Aprendi que só nos devemos arrepender do que não fizemos. Porque tudo o que fizemos faz de nós o que somos hoje.

10. Se não fosses ... gostarias de ter sido ... ? Porquê? (em relação à profissão)

Sou empregada bancária e como já disse, gosto imenso por causa do contacto com o público. Se não fosse isso, estaria na área da contabilidade, como TOC ou como ROC.

11. A minha relação com os desafios é ... ? (gosto, não gosto e o porquê)

Gosto bastante (curioso, o primeiro desafio que fiz foi proposto, timidamente, pela M*). Aprendemos mais sobre os outros e reflectimos sobre nós próprios.

 

Agora as perguntas da F. 

1. Qual a vossa viagem de sonho (que ainda não tenham feito)?

à Sibéria.

2. Que língua gostavam de aprender?

Chinês

3. Qual a vossa banda/cantor preferido?

Azeitonas

4. Melhor concerto a que já assistiram.

Pedro Abrunhosa

5. Restaurante preferido.

O Treze, em Sesimbra. O peixe lá é fabuloso.

6. Qual era o vosso sonho de criança?

Sinceramente não me lembro.

7. Animal preferido.

As minhas cadelas e os meus coelhos

8. Praia ou Campo?

Ambos. Desde que possa ler...

9. Qual o museu que mais te marcou?

Museu de História Natural em Nova Iorque

10. Qual é a primeira coisa que fazem quando acordam?

Abrir os olhos...

11. Há quanto tempo começaram o vosso blog?

Em 2008. Sou uma dinossaura, eu sei.

 

Last, but not least, as perguntas da Mãe de Coração

1. 3 palavras para te descrever.

Bem disposta, sincera, teimosa

2. Há 10 anos imaginavas a tua vida como é hoje? Se não, o que seria diferente?

Sim, está tudo a correr como eu gostava que corresse.

3. 3 lugares a visitar.

Sibéria, claro. Amazónia e Veneza

4. Doce ou salgado? Qual?

Doce, claro. O que é doce nunca amargou, não é isso que dizem?

5. 3 livros preferidos.

Não são três, mas tens aqui o meu Top Ten Livros

6. Praia ou serra? Porquê?

Praia ou serra. Gosto dos dois. Talvez por isso, por juntar os dois, adore Sesimbra que junta a praia com a serra mesmo ao lado.

7. 3 filmes marcantes.

Também não são três mas aqui fica o meu Top Ten Filmes

8. Se pudesses escolher qualquer pessoa para jantar, viva ou morta, famosa ou não, quem seria? Porquê?

Os meus avós e o meu bisavô. Só para os abraçar e dizer-lhes o quanto os amo e tenho saudades deles.

9. 3 qualidades que aprecias.

Sinceridade, boa disposição e honestidade

10. O que gostarias que te tivessem dito sobre a vida adulta que não disseram?

Não vai ser fácil mas vai compensar.

11. 3 defeitos que não toleras.

Mentira, desconfiança, maus tratos aos outros.

 

E como já vi que quase todos responderam a este desafio, vou fazer a coisa ao contrário - quem ainda não o fez, use e abuse. Pegue nas 33 perguntas a que eu respondi, escolha 11 e responda. 

Pág. 1/5