Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

A Cidade das Cinzas

7756722.jpg

A Cidade das Cinzas (Caçadores de Sombras #2) de Cassandra Clare

Editado em 2013 pela Editorial Presença

ISBN: 9789896570620

Sinopse
Clary Fray só queria que a sua vida voltasse ao normal. Mas o que é normal quando és um Caçador de Sombras? A tua mãe está em estado de coma induzido por artes mágicas, e de repente começas a ver lobisomens, vampiros e fadas? A única hipótese que Clary tem de ajudar a mãe é pedir ajuda ao diabólico Valentine, que, além de louco, simboliza o Mal - para piorar o cenário também é seu pai.
 
A minha opinião
Depois de ler A Cidade dos Ossos não descansei enquanto não tive, nas mãos, os restantes livros desta autora. Na Wook estavam com o preço entre os 17 e os 19 euros e eu, com cento e pouco livros para ler, não me apetecia comprar mais e muito menos comprar 9 livros seguidos a esses preços. Por outro lado queria mesmo ler estes livros (problemas de quem gosta de ler, que se há-de fazer?). Acabei por os conseguir a 10 euros cada, no facebook, num dos grupos de venda de livros usados e por isso já os tenho cá em casa.
Não é fácil falar no segundo livro duma série (ainda para mais neste caso com o problema acrescido uma vez que são seis os livros da colecção Caçadores de Sombras) mas vamos tentar.
A vida de Clary sofreu uma reviravolta e das grandes. De repente descobre que a mãe era Caçadora de Sombras, que o pai não morreu e que é louco e o malvado Valentine que todos os caçadores de sombras temem e que o rapaz por quem se apaixonou é, afinal, seu irmão. Como se não bastasse este cenário, a mãe está em coma e não se consegue acordar, vampiros, demónios e fadas são realidade, Luke, o melhor amigo da mãe é um lobisomem e ela própria tem poderes que desconhece. A única coisa que se mantêm estável é Simon, o seu melhor amigo.
Ou então não.
Clary e Jace tem de escolher. E rapidamente. Tem de escolher manterem-se fieis à Clave e à sua luta contra Valentine e os demónios ou se preferem a via mais fácil e juntar-se ao pai.
Intenso, bem escrito e viciante. Estes são apenas alguns dos adjectivos que me vêm à cabeça quando penso no que escrever sobre este livro. Mais uma vez cheguei atrasada aqui e ali porque estava embrenhada no livro de tal modo que não dei pelo tempo passar. Assim vale a pena.
Avanço agora, em alta velocidade, para A Cidade de Vidro e verei que mais surpresas me esperam.

Como dar um comprimido a um gato

catcartoon01[13].jpg

1. Pegue o gato e coloque-o em seu braço esquerdo como se estivesse segurando um bebé. Posicione o dedo indicador e o polegar da mão esquerda em cada canto da boca do gato. Pressione levemente para que ele abra a boca. Tão logo isto aconteça, coloque o comprimido em sua boca. Permita que o gato feche a boca e engula a pílula.

2. Pegue a pílula do chão e o gato atrás do sofá. Encaixe-o no seu braço esquerdo e repita o processo.

3. Apanhe o gato no quarto e jogue fora o comprimido encharcado.

4. Pegue um novo comprimido, coloque o gato em seu braço esquerdo e segure as patas traseiras com a sua mão esquerda. Force-o a abrir a boca e empurre o comprimido até a garganta com o indicador. Feche a sua boca imediatamente e conte até 10 antes de soltá-lo.

5. Apanhe o comprimido de dentro do aquário e o gato de cima do guarda-roupa. Peça ajuda a um amigo.

6. Ajoelhe-se no chão com o gato preso firmemente entre os joelhos, segurando suas quatro patas. Ignore os grunhidos emitidos pelo gato. Peça ao amigo que segure com força a cabeça dele enquanto você abre a boca do gato. Coloque uma espátula de madeira o mais fundo que puder. Deixe o comprimido escorregar pela espátula e esfregue a garganta vigorosamente.

7. Apanhe o gato que está grudado no trilho da cortina e pegue outro comprimido. Lembre-se de comprar uma nova espátula e remendar a cortina. Cuidadosamente, enrole o gato numa toalha de modo que apenas sua cabeça fique de fora. Peça para seu amigo mantê-lo assim. Dissolva o comprimido em um pouco de água, abra a boca do gato com o auxílio de um lápis e despeje o líquido em sua boca.

8. Veja na bula do remédio se ele é nocivo para seres humanos. Beba um pouco de água para se acalmar. Faça um curativo no braço do amigo e limpe o sangue do tapete com água morna e sabão.

9. Busque o gato no vizinho. Pegue um novo comprimido. Bote o gato dentro do armário da cozinha e feche a porta, mantendo a cabeça do gato para o lado de fora. Abra a boca do bichano com o auxílio de uma colher de sobremesa. Jogue o comprimido para dentro da boca com o auxílio de um estilingue.

10. Vá até a garagem e apanhe uma chave de fenda para colocar a porta do armário no lugar. Coloque uma compressa fria nos arranhões do seu rosto e veja quando tomou pela última vez a vacina antitetânica. Jogue a camiseta fora e apanhe outra em seu quarto.

11. Chame o corpo de bombeiros para apanhar o gato do alto da árvore do outro lado da rua. Peça desculpas ao vizinho que se machucou tentando desviar-se do gato. Pegue o último comprimido do frasco.

12. Amarre as patas dianteiras nas traseiras com uma corda do varal e prenda o gato no pé da mesa de jantar. Coloque luvas de jardinagem. Abra a boca do gato com uma pequena chave inglesa. Coloque o comprimido seguido de um pedaço de filé mignon. Segure a cabeça dele na vertical e derrame meio copo d’água para ajudá-lo a engolir o comprimido.

13. Peça ao seu amigo para levá-lo ao pronto-socorro mais próximo. Sente-se tranquilamente enquanto o médico sutura seus dedos e braços e remove partes do comprimido que ficaram encravadas em seu olho direito. Pare na primeira loja de móveis no caminho de casa e encomende uma nova mesa de jantar.

14. Procure um médico veterinário que faça atendimento em domicílio.

Autor desconhecido

Uma pequena contribuição para o movimento ‪#‎progargalhada‬ que quer por todos a rir e que foi iniciado pela Maria das Palavras