Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

As eleições

Será, muito provavelmente, a única vez que vou falar sobre as eleições. As legislativas e as presidenciais que se realizam logo a seguir.

Desde que tenho idade para votar que, a cada eleição, vou cumprir o meu dever que é, em simultâneo, o meu direito - o de votar naquele que entendo ser o melhor representante. Na verdade e agora que penso nisso, creio que faltei uma vez por estar bastante doente e não ter saído de casa.

Por o fazer, por ir votar, sinto que tenho o direito de opinar sobre o estado - da educação, da saúde, da economia, da política, etc. Afinal, mal ou bem, contribui, de alguma forma, para aquela ou aqueloutra eleição, não tendo permitido que escolhessem por mim.

Faz-me confusão que haja quem diga mal, que reclame, se oponha e discuta mas, quando chega a hora de votar, prefere ir à praia, ao futebol, ao cinema ou ficar, simplesmente, em casa, a vegetar. É neste acto, o da votação, que nos é permitido opinar e fazer algo para que as coisas melhorem. Não votando, bem podem ir, depois, para aqui e para ali dizer mal deste e de outro. Não lhes reconheço qualquer legitimidade para reclamarem, dado que, quando puderam fazer alguma coisa, não fizeram.

Confesso ainda que, muitas vezes - e desta vez também - olho para partidos, candidatos, programas e discursos e a única coisa que me apetece dizer é: pronto, acabem lá o recreio e as brincadeiras, já é tempo de serem uns meninos crescidos que a malta já está a ficar aborrecida. É que não há, um só que seja, que me inspire, que seja coerente, que mantenha a mesma ideia do principio ao fim, e que lhe junte educação, respeito e civismo (provavelmente estou a ser utópica, mas quando encontrar estas características num politico, garanto-vos que ele ganha o meu voto).

Não sei, por isso, em que partido votar, sendo que o voto em branco não deixa de ser uma opção. 

Para mim só há um cenário excluído... a abstenção!

 

Terreiro do Paço

É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² e local onde, diariamente, passam milhares de pessoas e mais uma, que sou eu.

Começou por ser o palácio real onde viviam os Reis de Portugal (totalmente destruído em 1755) e local de passeio. Teve ministérios, secretarias de estado e a Bolsa de Valores. Já assistiu a assassinatos e quedas de regime, feiras, concertos e missas. Viu policias lutarem contra policias e serviu para estacionar carros. Era por lá que Pessoa passava muito tempo naquele que continua a ser o café mais antigo de Lisboa.

Há quase trinta anos que vou quase todos os dias para Lisboa de barco (vá, quando não há greve, pelo menos) e é lá que o barco atraca. Partilho, por isso, algumas memórias com esta praça - o estacionamento, as filas nas paragens de autocarro, a manifestação secos contra molhados entre policias, feiras do livro, um concerto do Pedro Abrunhosa, árvores de Natal, e obras. Muitas obras.

Todas as obras são chatas e irritantes. E pior ainda quando temos de mudar o trajecto habitual por causa delas. Foi o que aconteceu aqui.

Mas compensou. E de que maneira. Hoje a praça pertence, de novo, a quem por lá quer passear. Sem carros a impedir a passagem, com várias esplanadas e com a vista sempre magnifica sobre o Tejo. 

Quem vai de barco e sai na Praça do Comércio/Terreiro do Paço, tem oportunidade de a ver em todo o seu esplendor. E, acreditem, é de tirar o fôlego. Pena que nem todos se apercebem disso...

Deixo-vos algumas fotos desta praça para verem como tenho razão:

Terreiro_do_Paço_em_1662.jpg

1755.jpg

antes.jpg

 

secos e molhados.jpg

 2015-05-28-Terreiro-do-Paco-.jpg

 

 

 

 

 

 

1363798975.jpg

lisbon-pousada-de-lisboa-terreiro-do-paco-399415_1