Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Ser vítima de violência doméstica como critério contratação

IEFP lança primeiro concurso para apoiar contratação de desempregados de 2017 e as empresas podem receber 3.791,88 euros por cada contrato sem termo celebrado dentro de determinadas condições.

E até tudo bem.

Este valor pode até ser majorado em 10% se a contratação reunir outras condições... Com as quais concordo plenamente: desempregados (independentemente do tempo de inscrição) em situação mais desfavorecida, designadamente os que sejam beneficiários do rendimento social de inserção, apresentem deficiência e incapacidade, sejam refugiados, ex-reclusos ou toxicodependentes em processo de recuperação ou se encontrem inscritos no IEFP há 25 ou mais meses. Perfeito.

Há uma majoração adicional e cumulativa de 10% se o posto de trabalho criado for “localizado em território economicamente desfavorecido”. Muito bem, Promover o emprego em zonas desfavorecidas. Parece-me lindamente.

E por fim... Os montantes a atribuir poderão ser majorados em mais 10% se o desempregado estiver a receber o rendimento social de inserção, tiver deficiência e incapacidade, integrar uma família monoparental, tiver o cônjuge também desempregado, tiver sido vítima de violência doméstica ou for refugiado, ex-recluso ou toxicodependente em processo de recuperação.

Como? Vítima de violência doméstica? As empresas vão ter benefícios se contratarem vítimas de violência doméstica? 

Antes de mais, deixem-me dizer-vos que sou da opinião que as vítimas de violência doméstica merecem todo o meu respeito e, no meu entender, todos os apoios que o estado possa dar para recomeçarem a sua vida.  Sem dúvida alguma!

Agora... condicionar o apoio a uma empresa à contratação duma vitima de violência doméstica já me faz alguma confusão, ainda para mais considerando alguns empresários que conheço.

É que parece que estou a ver as entrevistas de emprego: Olhe, a sua mulher bate-lhe? não? ah então desculpe mas não serve. Vá lá para casa e peça-lhe o favor de o espancar umas vezes e depois volte cá para o contratar a ver se eu ganho uns trocos a mais.

Ou se calhar sou eu que estou a imaginar coisas...

Falando um pouco mais a sério, conheço uma ou duas vítimas de violência doméstica e se há coisa que lhes é comum (para além do passado violento) é a vergonha do que passaram, a dificuldade em falar no tema e o não quererem ser conhecidas como vitimas. Ao incentivar as empresas a contratar estas pessoas porque foram (ou são) vítimas de violência doméstica é vitimizar ainda mais, é obriga-las a falar no assunto com desconhecidos que podem não saber como tratar o assunto com o respeito que merece.

E isto, mais do que tudo, faz-me confusão.

Ceninhas

Tenho estado ausente. Nesta época do ano sobram-me coisas para fazer todos os dias e o tempo, esse, não estica, o que, às vezes é uma pena.

Vamos a um pequeno update desta minha ausência?

Regressei ao trabalho no final do ano, depois de 45 dias de baixa médica. A minha querida rotura muscular deu-me (e dá-me) que fazer. Foram 60 sessões de fisioterapia, anti-inflamatórios, descanso e canadianas. O pior já passou mas os cuidados ficaram porque, de vez em quando, ela – a rotura – lembra-se de me avisar que não se foi embora.

Regresso ao trabalho com direito a mudança de instalações. Estamos em open space, com as vantagens e desvantagens dum espaço em que tudo se ouve e em que é difícil que a temperatura e a luminosidade estejam do agrado de todos. Mas temos refeitório, com boa comida (até temos leitão e sushi em determinados dias da semana) a preços bastante acessíveis, num espaço com bastante luz e – o melhor – onde posso ler enquanto como. Olhando para as vantagens e desvantagens, claramente as vantagens são superiores.

Quem me acompanha no facebook e no instagram sabe que continuo a ir ao ginásio. Vá, aqui entre nós, até estou a gostar mas olhem que é segredo. Aos poucos estou a aumentar a dificuldade dos exercícios. Pode parecer pouco – andar 15 minutos na passadeira à velocidade 3,5 ou andar 10 minutos de bicicleta com a resistência a 2 – mas para quem nunca fez exercício algum e está a recuperar duma rotura é muito bom (e não me desiludam tá bem?)

Continuo também com a reeducação alimentar. Só houve uma refeição, há pouco tempo, em que me custou um pouco mais resistir a umas farófias. Quando decidi que não ia resistir… já tinham acabado e por isso não as comi. Não vos contei mas na segunda-feira a seguir ao Natal fui à consulta com a nutricionista e tinha perdido 700 gramas. Considerando que, no Natal, não tive grandes cuidados e que já se tinha passado o meu aniversário… acho que foi bastante positivo. Dia 31 deste mês terei nova consulta e vamos ver como correu este mês.

O maridão vai ter de fazer novo cateterismo. Já ando a estudar qual o livro que levarei para ler nesse dia. Já esteve agendado para dia 17 de Janeiro mas foi adiado na véspera por as camas estarem ocupadas com demasiados enfartes (sabiam que o frio potencia os problemas cardíacos? Eu nem desconfiava).

Um dos melhores livros que li em 2016 está nomeado para Óscar de melhor filme estrangeiro. Vejam o filme, leiam o livro. Vão ver que vale a pena.

E estou bem, não se preocupem. Apesar de apanhar o barco todos os dias entre o Barreiro e Lisboa, não estava no barco que embateu hoje no cais do Terreiro do Paço. Excesso de velocidade (só pode, de outra forma a parte da frente do barco não teria sido metida para dentro) e nevoeiro. Uma combinação explosiva quando não se sabe usar as tecnologias que os catamarans da Soflusa têm. Mas isto pode ser só mau feitio meu…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D