Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Ouvido de passagem

No café 

- mãe, posso comer um gelado?

- sim, podes. Escolhe o que quiseres.

- um qualquer?

- sim, um qualquer.

- então pode ser este? (Era um calipo)

- esse não. Escolhe outro.

- então este  (um perna de pau)

- esse também não. Escolhe outro.

- e se for este? (Super maxi)

- não. Tens de escolher um que não derreta e te suje. Olha, come um epá.

 

(Eu comi um solero de morango enquanto me ria com isto)

 

Ir de férias com os nossos animais

Aparentemente está cada vez mais fácil poder levar os nossos cães de férias connosco, como qualquer membro da família. Aliás, basta consultar o Booking.com ou o trivago.pt e vemos, com agrado, a seguinte frase: traga o seu amigo de quatro patas! Este alojamento aceita animais de estimação.

Mas será mesmo assim?

Tínhamos pensado, inicialmente, ir passar uma semana de passeio pelo norte de Portugal agora em Setembro, antes das aulas iniciarem. Mas como entretanto decidimos mudar de casa, optamos por poupar o dinheiro dessas férias para os gastos inerentes a uma mudança de casa. Mas como o bichinho do passeio ficou, pensamos em ir passar apenas 3 dias – sexta a domingo – num sítio qualquer. E, imbuídos do espirito “traga o seu amigo de quatro patas” pensamos em levar a a Bunny e a Saphira connosco. Sempre poupávamos 60 euros (o custo do hotel para cães onde elas ficam quando é preciso) e estava a família toda junta.

E lá fui eu, feliz da vida, procurar um hotel que aceitasse animais, a uma distância no máximo de duas horas de casa para esse fim de semana. Primeira opção, Sertã. Bónus pelo sítio, sempre podia comer maranhos e visitar alguns amigos que não vejo há mais de 20 anos (nem tentem perceber porquê, tem uma razão válida para ter acontecido). O hotel aceitava animais, até tinha um comentário de alguém que diz que pode levar a sua cadela… por nós estava feito, tudo a favor.

Mas como eu sou desconfiada destas coisas, depois da marcação feita, liguei para lá a confirmar se as podia levar. Só tive tempo de dizer: temos duas cadelas… e nem continuei porque fui logo interrompida pela senhora que me atendeu, dizendo: nem pense em trazê-las para cá. Como???? Eu ainda retorqui dizendo: mas no booking.com diz que aceitam animais… a resposta foi: eu é que sei o que aceito. Se fosse uma cadelinha de colo eu ainda abria uma excepção, agora duas? Nem pense. Anule lá a reserva que eu não quero cães aqui.

Fiquei logo com os cabelos em pé. Digam-me lá, de que serve anunciar que aceitam animais se depois não os querem lá? Não percebem que, assim, ainda é mais negativo para o hotel?

Na tentativa seguinte, mas para Reguengos de Monzaraz, a conversa foi outra. O proprietário explicou-me que não tem problema algum com cães, havendo apenas duas condições: que se pague um adicional de limpeza pelo quarto e que não haja mais cães, naquele período no hotel. Consigo perceber ambas. Por mais cuidado que se tenha, cães largam pelo e, naturalmente, a limpeza tem de ser maior que o normal. E havendo dois cães que não se conheçam no mesmo espaço, tanto pode correr bem como mal. Correndo mal, fica o fim de semana estragado para todos sem necessidade. Assim sim. Está feita a reserva e estamos apenas à espera que nos confirmem se não há mais reservas, para esse fim de semana, com cães envolvidos.

Duas experiências sobre o mesmo tema. A mesma comodidade anunciada nas reservas. Dois resultados opostos.

Mais alguém teve uma experiencia deste género que queira partilhar? Ou um local que conheçam onde possamos ir descansados com as nossas patudas para que elas possam ter mais dias felizes como este:

21100280_10155684383124510_216903006_n.jpg

Compra de livros escolares

images.jpg

Chegou a altura do ano temida pela esmagadora maioria dos pais. A compra dos manuais escolares para os nossos pimpolhos.

É, talvez, o maior gasto periódico que os pais tem com os filhos, pelo menos até que terminem o percurso escolar.

Naturalmente, no meu caso (e noutros) com dois filhos em idade escolar em casa, esse custo duplica.

Habitualmente comprava os livros na Wook. Pela facilidade de encomendar, pela possibilidade de agendar a entrega para data em que já não tivesse de férias e, acima de tudo, pelos descontos que acumulava em cartão e que depois usava para comprar livros para ler. Só vantagens, pensava eu.

Bem, eram vantagens até porque havia poucas soluções alternativas. Apesar dos meus filhos terem apenas dois anos de diferença, isso, na prática, reflecte-se em que não conseguia aproveitar os manuais de um para o outro. Nunca percebi bem porquê...

O ano passado foi a primeira vez que houve essa possibilidade (com ele a ir para o oitavo ano e a irmã, mais velha, no 10º ano). Correu mais ou menos. Quando as aulas começaram tive de comprar dois manuais novos - os nomes eram os mesmos, as matérias também mas a ordem pela qual constavam no manual eram diferentes. E, ou o gaiato tinha o manual actualizado ou tinha falta de material. 

Aliás, drama em tudo semelhante à odisseia que tive no ano anterior, com A Odisseia de Homero.

Enfim... nada que os pais não estejam já (infelizmente) habituados.

Portanto, dizia eu, este ano chegou a temida altura. E lá fui à wook fazer a listinha das compras. Para ela, que vai para o 11º ano de Ciências e Tecnologias, € 273,86 só para os livros. Para ele, que vai para o 9º ano, € 254,81. € 526,67 em livros. E isto considerando 10% de desconto que a Wook dá à cabeça (na verdade 99% das livrarias on line dão este desconto mas adiante). E sem vale para gastar em livros.

Decidi, por isso, experimentar uma coisa nova. A Book in Loop. E o total para os dois gaiatos, as mesmas versões que a Wook está a vender (verifiquei pelos ISBN's) é de € 139,61.

Uma diferença de "apenas" € 387,06. Quase metade daquilo que teria de gastar apenas para ela.

Com outra vantagem (que eu, infelizmente, porque estive fora de casa quatro semanas, já não tive oportunidade de aproveitar). Podem-se vender, na Book in Loop, os manuais que já não nos servem para nada. Esta plataforma funciona mais ou menos como um ponto de encontro entre quem precisa de manuais e quem não precisa, permitindo poupar/ganhar alguma coisa em vez de acumularmos toneladas de livros escolares em casa que mais ninguém vai usar.

Claro que isto tem prazos curtos. O prazo para a entrega dos livros usados terminou no dia 7 de Agosto e o prazo para a reserva dos livros para o próximo ano termina dia 16 de Agosto. Por isso a minha questão para vós, pais que tem livros escolares para comprar. O que estão à espera?

(e eu, ainda hoje ou amanhã, vou colocar os livros do ano passado à venda no OLX. Para o ano trato de tudo antes de ir de férias, está garantido!)