Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Como NÃO organizar uma festa surpresa

Ontem, para além da gaiata chegar da sua viagem, foi dia de aniversário. O marido comemorou meio século ao serviço da humanidade e eu achei que era boa ideia surpreende-lo com uma pequena festa surpresa. Só me esqueci dum detalhe – EU NÃO SEI MENTIR!

Organizei tudo. Falei com a minha sogra, com os sobrinhos todos, irmãs e amigos mais chegados. Contratei a Sweets & Sugar (os mesmos que ficaram de fazer o bolo do balde para a Maria) e pronto. Só tinha de o manter fora de casa enquanto chegavam as pessoas e as coisas eram postas na mesa.

Tinha tudo para correr bem, só que…

Sábado à noite o rapaz resolveu telefonar à mãe para lhe dizer que a neta estava bem e que já estava em Barcelona. Isto enquanto eu estava numa reunião no hall de entrada dum prédio e ele estava no carro à porta à minha espera. Ligou para casa da mãe – que vive em Elvas mas já estava em Lisboa à espera que eu a fosse buscar no domingo de manhã – e claro que ninguém atendeu. Ligou para o telemóvel e a minha sogra lá lhe disse que o telefone estava avariado. Conversaram e pelo meio a minha sogra disse: depois encontramo-nos todos LÁ em Elvas para comemorar os teus anos e da tua irmã. Stress do lado de lá, a minha cunhada lá fez sinais para a mãe ter cuidado mas o primeiro estrago estava feito. A minha sogra lá me telefonou (eu no meio da assembleia) e fiquei de lhe ligar quando me despachasse. Mas como se o rapazola estava no carro à porta do prédio? Tive sorte, escondi-me atrás dumas pessoas que ficaram a conversar e liguei à minha sogra que me contou tudo. Rimos imenso, acertamos os detalhes para domingo de manhã e fui-me embora.

A viagem correu sem problemas… o problema foi mesmo quando cheguei a casa e o marido me pergunta: Amanhã, além da minha mãe, quem mais vem cá?

Já vos disse que não sei mentir. É que não consigo mesmo, não vale a pena. Ainda para mais uma pergunta directa destas. Desmanchei-me a rir, sinal evidente de que me preparava para mentir (mas é mais forte que eu, não vale a pena, não consigo mesmo controlar-me) e disse-lhe: Mas a tua mãe está descansada em Elvas, porque raio haveria de vir para Lisboa? Segundo e terceiro estrago – eu a rir a dizer isto e nós vivemos é no Barreiro! Mudei de assunto rapidamente e achei que a coisa estava resolvida.

Domingo de manhã lá fui buscar a gaiata ao aeroporto e depois fomos buscar a minha sogra. Pronto, do mal, o menos, ela ia de facto almoçar connosco e assim ficava o problema resolvido. Supunha eu que ficava…

Antes de irmos todos almoçar, mostrei à minha sogra e ao marido este vídeo que ambos adoraram. E comenta a minha sogra: logo temos de mostrar este vídeo à B. Congelei! A B é a minha sobrinha mais velha, que ia à festa e que ia levar com ela mais dois sobrinhos e uma das minhas cunhadas. Mas disfarcei e pensei que o homem não tinha dado conta. Big Mistake!

Fomos almoçar. Não costumo falar ao telemóvel ou no Messenger enquanto estamos em família mas ontem tinha de ser: afinal havia gente em trânsito lá para casa, havia coisas a organizar e uma festa a manter como surpresa. Resultado, o homem passou a refeição amuado comigo e a resmungar que estava a ser mal-educada (ainda ele não sabia o que o esperava…).

A meio do almoço pergunta ele: então vou ter bolo e tudo?  Bolo? Mas bolo porquê, senhores? Bom, porque a minha mãe me tinha ligado a meio do almoço e eu disse-lhe que estava gente em casa. Ela ia lá levar dois dos meus sobrinhos… tentei, sem rir, dizer que não havia bolo algum. Mas não consegui. Porque havia bolo! Credo, nunca hei-de aprender a mentir!!!

A seguir ao almoço não podíamos ir para casa. Eu comentei que gostava de ir ao fórum, a minha sogra disse que também ia e levamos o aniversariante connosco. Inicialmente era para lá estarmos meia hora… só que se prolongou por duas horas.

Comecei pela Bertrand (e em boa hora) e acabei por comprar dois livros. Depois passamos por mais lojas (enquanto eu andava a trocar mensagens com o pessoal e o rapaz barafustava comigo) e ao fim dum bocado disse-lhes que queria ir beber café. Sentamo-nos numa das pastelarias e eu – acreditem ou não – comecei a ler!. A minha sogra ria-se, eu lia e o aniversariante deitava fumo. E barafustava comigo. E eu lia…

Depois fui às compras ao Pingo Doce. Acho que passeei por todos os corredores e no fim fui para a fila da caixa mais comprida. Eu tinha de fazer tempo!

Por fim lá chegamos a casa. E nisso recebo uma mensagem que dizia: ESTAMOS PRESAS NO ELEVADOR!!! Era a minha sobrinha B que estava presa mais a irmã do marido. E eu pensei que era ali mesmo no nosso prédio (se bem que achei estranho ela demorar apenas 5 minutos entre sair de Campolide e chegar ao Barreiro) e disse ao homem: vai desencravar a tua irmã e a sobrinha. Deixa-me lá saber em que andar estão. Responde o homem. Ah! Ah! Eu sabia que elas vinham! A minha mãe desbocou-se! Caramba que o homem apanhou os descuidos todos.

Perguntei-lhes em que andar estavam, elas responderam e quando lhes disse: O Miguel vai a caminho!... recebi de resposta: Mas nós estamos em Lisboa e já chamaram o piquete!

Enfim…

A festa lá começou com algum atraso, mas começou! e correu tudo bem! Com muita galhofa à mistura por todos os deslizes que foram acontecendo mas que, no fundo, fizeram com que fosse ainda melhor.

16 comentários

Comentar