Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Do emprego e da falta de vontade

empregos.jpg

Este vai ser um texto provavelmente polémico e por isso vai começar pelo fim.

Apesar de tudo o que será dito, percebam que eu sou contra este tipo de emprego, que eu acho que todos – mas mesmo todos – devem ter estabilidade profissional, seja em que área for e que sou absolutamente contra os ordenados mixurucas que se pagam em determinados sítios. Direi ainda que compreendo perfeitamente quem não aceita determinados empregos porque teriam de pagar para trabalhar (ou seja, quando o ordenado que vão receber é inferior às despesas que vão ter para ir trabalhar, sejam elas do passe, da comida, de alguém que fique com os filhos, etc). Saibam ainda que sei que há desemprego real e que nem todos se enquadram no que vou dizer.

Dito isto…

Não consigo compreender o que leva algumas pessoas a desistir dos empregos que aceitam logo no primeiro ou segundo dia, quando ainda estão em formação, sem que tenham outro emprego em vista. Certo, o ordenado não é grande coisa, mas sempre ganham alguma coisa. Ganham um ordenado, ganham experiência e não ficam em casa a olhar para as plantas a crescer.

Queixam-se que não conseguem empregos, mas depois, quando os arranjam, aparecem um ou dois dias e desaparecem. Uns desaparecem sem dizer água vai, outros desaparecem porque não sabiam que ia ser tão difícil (e como é que sabem que é difícil se nem sequer tentaram?). Todos porque não se querem esforçar e esperam chegar ao novo emprego – muitas vezes é o primeiro emprego – e saber de tudo, sobre tudo.

Meus caros, não é assim que funciona. Quando se começa a trabalhar há um período de aprendizagem, em que temos, efectivamente, de absorver muita coisa. Há um período em que nos sentimos perdidos, em que nada do que aprendemos na escola faz sentido e que estamos assustados. É normal, normalíssimo. Foi assim comigo há 25 anos e é assim com toda a gente. Mas temos de respirar fundo e pensar que, se os outros conseguem, porque é que nós não vamos conseguir?

Também é verdade que nem todos estão talhados para a mesma coisa. Por exemplo, se têm pavor de falar com pessoas, não se candidatem a empregos onde vão ter de lidar – ao vivo ou ao telefone – com muita gente. Ou, pelo menos, não os aceitem para depois desistir. É que acabam por tirar lugar a outros, entendem?

Mas há mais coisas que não entendo neste quadro. Por exemplo, aqueles jovens que esperam encontrar o emprego de sonho na rua onde moram. Ou vá, na mesma localidade (se não tiverem de apanhar transportes). Só por milagre é que o conseguem, sabiam? Andar de transportes não é, necessariamente mau – expecto em dias de greve. Antes pelo contrário, permite-nos abrir horizontes, ver sítios e pessoas novas e permite ter mais um bocadinho para ler um bom livro.

E vendo estas atitudes em várias pessoas, confesso que me irrita quando as vejo – as mesmas – a queixarem-se que não conseguem arranjar trabalho.

19 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D