Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Doença de Crohn e dietas

03_09_2012__15_52_3497159a200e9488ccf3db82c9d69ab4

Já vos contei o drama que é ter a Doença de Crohn e ter o azar de precisar de ir ao médico.

Mas ter a doença de Crohn e tentar perder peso, às vezes também é um drama.

Sim, eu sei, parte da dificuldade advém da minha falta de vontade e da minha falta de horários. Mas acreditem que a doença de Crohn não facilita.

Por ser uma infecção crónica nos intestinos, há vários cuidados a ter com a alimentação. Infelizmente nem todos os doentes reagem, da mesma maneira, a cada alimento e, por, isso, o doente tem a ingrata tarefa de descobrir, por si, o que pode ou não comer. Acreditem, não é uma tarefa fácil e nem sempre se consegue descobrir, á primeira, o que nos fez mal nesta ou naquela refeição.

No meu caso descobri que não posso comer laranjas, uvas, alho francês e iogurtes e que tenho de evitar quase todos os legumes. Cenoura, feijão-verde ou alface posso comer mas com moderação. Tudo o que tenha fibras está proibido e alimentos – sejam eles quais forem – que ajudem os intestinos a funcionar também estão riscados.

E eu tento, ao máximo, seguir estas pequenas regras porque, se falho, quem sofre sou eu. E acreditem que as cólicas e o inchaço que qualquer um dos alimentos proibidos me causa são de bradar aos céus.

Percebo que seja difícil de perceber que, entre um copo de sumo de laranja natural e um copo de Sumol de laranja, eu escolha o copo de Sumol. O mal que o gás e o açúcar do Sumol me fazem é bastante menor que as cólicas e o inchaço que um sumo de laranja me faz.

E é isto que eu transmito sempre que vou a um nutricionista para começar uma dieta acompanhada. A doença que me acompanha (apesar de ligeirinha e que assim se mantenha) e as minhas restrições alimentares.

O resultado? Nenhum! Porque assim que começam a preparar o que devo comer a cada refeição, começa também o disparate: ora, aqui ao pequeno-almoço beba um sumo de laranja. E eu interrompo e digo que não, o sumo de laranja, como já expliquei, faz-me mal. Ah pois é, tem razão, desculpe. Então vamos substituir por um iogurte, pode ser? A sério? Tira o sumo e mete um iogurte? Mesmo?

Acabo por deixar de dizer coisa alguma, vou-me embora e não volto.

Ao fim de várias tentativas com vários nutricionistas… desisti. Pode ser que um dia volte a tentar e tenha a sorte de encontrar um ou uma que entenda a Doença de Crohn.

23 comentários

Comentar