Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Eu & os disparates #1

2sd1vb68b.jpg

 

Desde pequenina que tenho este petit problema...

Quem me pergunta o caminho para algum lado, só por sorte lá chega...

Quando andava nos escuteiros, nunca fui à frente nas caminhadas...

Já cheguei a telefonar ao meu marido (ou mandar-lhe um sms) para saber a resposta...

Nem tentem explicar-me como chegar a qualquer lado...

Quando ia a caminho do exame de condução, o meu querido instrutor, para me "animar" disse-me: tu conduzes bem, sabes medir as distâncias mas vais chumbar. Eu fiquei parva mas depois ele explicou-me: Vais chumbar porque o examinador vai-te mandar virar à esquerda e estou mesmo a ver tu a virares à direita! como fizeste em todas as aulas...

Pois, basicamente é este o petit problema: não consigo distinguir a direita da esquerda. Não vale a pena dizerem que a esquerda é onde está a aliança - é que eu não uso aliança (e sim, acabei de confirmar com o meu Miguel qual é o lado porque comecei por escrever mal) nem sequer que é com a direita que escrevo. Nenhuma mnemónica funciona e tenho sempre, mas sempre, de perguntar.

Na faculdade tinha um amigo, o Rui, que tinha o mesmo problema. Acho que chegávamos ao sitio certo por acaso...

Mas o mais hilariante é seguir as instruções dum GPS quando estou sozinha... Aqui há dois anos ia para o jantar anual da faculdade. Como não sabia onde era o restaurante e estava de carro, resolvi ligar o GPS do carro. Entrei no carro e mentalizei-me: tu consegues! tu consegues! tu consegues! Liguei o carro, meti o GPS no banco ao lado (o suporte estava partido), liguei-o e ala que se faz tarde.

Até meio do caminho a coisa correu bem. O GPS mandava virar, eu espreitava para o GPS pelo canto do olho e pronto, seguia a direcção. O pior aconteceu numa rua com muito trânsito - em que eu não podia desviar o olhar - e ele me mandou virar à esquerda. E eu toca a virar. E o GPS "a recalcular o itinerário". Consegui voltar a olhar e segui as instruções seguintes. Até que... voltei à mesma rua com muito trânsito e o GPS voltou a instruir-me "virar à esquerda". E eu virei. E ouvi "a recalcular o itinerário". Achei estranho mas o meu primeiro pensamento foi: mas ele está a mandar-me para o mesmo lado, estará avariado?. Mas confiemos nos satélites, eles sabem, certo? Segui as instruções de novo (e o mapa pelo canto do olho) e... lá estava eu na mesma rua. Mas que raio? bom, à terceira é de vez, pensei eu, vamos lá com confiança. E fui. E ouvi "a recalcular o itinerário"!!!

Não vou contar aqui os nomes que chamei ao GPS. Porque foram mesmo nomes muito feios. Parei o carro, respirei fundo, ofendi pela centésima vez o GPS e voltei a arrancar. Mas com o GPS seguro na mão, por cima do volante para ver se ele estava mesmo a funcionar. E quando ele mandou virar à esquerda eu percebi que, afinal, das vezes anteriores, tinha virado à direita...

Proposta para os inventores que estejam por ai - é preciso um GPS que não fale em esquerda e direita mas que diga: para o lado do condutor, para o outro lado. Assim era bastante mais fácil.

Ah, falta contar como é que tirei a carta. Tive uma daquelas sortes que só acontecem uma vez. O exame foi feito praticamente a direito, numa avenida. E a única vez que tive de virar para algum lado não hesitei - o outro lado era sentido proibido.!!

 

(parte desta história já a tinha contado em comentário a este post. Leiam-no. É hilariante)

24 comentários

Comentar