Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Eu & os disparates #2 as minhas quedas

18137821_Qwcmk.jpeg

A propósito de Quem nunca deu um tralho que levante a mão (donde também “roubei” a imagem), deixem-me contar-vos algumas das minhas quedas que foram, no mínimo, hilariantes.

Começo por explicar que sempre tive queda para a queda e, portanto, desde muito nova que o chão é um bom amigo, um companheiro. Não raras vezes, consegui tropeçar em chão lisinho lisinho. Umas vezes com queda, outras só com um desengonço.

Talvez por isto, a questão de Usar ou não sapatos salto alto? nunca se colocou.

Conto ainda que cheguei a ir na rua com amigos meus que, de repente, deixaram de me ver. Pois, estava no chão…

Dito isto, vamos às duas ou três quedas que me lembro mais.

A primeira que vos conto aconteceu quando eu estava no oitavo ano. Nesse ano a escola decidiu que todos os alunos tinham de ir ver um filme em Francês na Casa da Cultura (o único cinema que o Barreiro teve durante muitos anos). Reservaram o cinema – plateia e balcão – para a escola e lá fomos todos. Eu e algumas amigas sentamo-nos, separadas, no balcão que tinha umas escadas a meio. E lá começamos a ver o filme. Só que o dito era tão mau, mas tão mau, que, a meio da primeira parte resolvi ir-me embora sem ninguém dar por isso. Como tinha combinado com as outras irmos juntas, subi, sorrateiramente, as escadas no escurinho do cinema. E, p’rai no penúltimo degrau esbardalhei-me e, claro, gritei com o susto. O estrondo da queda mais o grito fizeram com que o projeccionista para-se o filme para ver o que se passava e lá estava eu, sentada nas escadas, a rir à gargalhada (sempre tive tendência para rir depois de cair) e, pelo meio da risada, lá consegui avisar as minhas amigas que me ia embora. E elas, serenas como elas próprias, só me responderam – ok, mas precisavas mesmo de parar o filme?

Mais tarde, em Sesimbra, consegui cair 3 vezes, em 3 dias seguidos, no mesmo sítio. Ao quatro dia mudamos o passeio para o outro lado, não fosse eu continuar a cair. Curiosamente nunca mais passamos naquele sítio – ainda assim eu não caia outra vez. E não, não havia buracos nem ressaltos no chão. Era mesmo só eu no meu melhor.

Cheguei a cair escadas abaixo no trabalho e ter a sorte de ser aparada por um colega, lá ao fundo, que, pelo meio do riso, só me disse – sempre sonhei ter-te nos braços, mas não assim! Ou escadas abaixo do barco e ser aparada por um jovem que meteu as mãos a aparar a minha queda e me pediu logo desculpa pelo sítio onde elas (as mãos) tinham ficado. E eu, mais uma vez a rir, só lhe agradeci e disse-lhe que não importava.

A pior aconteceu em 2011 e veio, quanto a mim, provar que o exercício físico faz mal à saúde. Naquele longínquo dia, sai do autocarro na Praça de Espanha e meti pés a caminho. O meu trabalho fica a mais ou menos meia horinha a andar do sítio onde o autocarro me deixou e eu achei que era uma boa oportunidade para começar a andar a pé. Só que a meio do caminho começou a chover, não havia paragem de autocarro ou de metro que me valesse e eu lá me meti num táxi – sob pena de tomar um segundo banho. Quando o táxi chegou ao destino, paguei, sai, e aterrei no chão. Só depois percebi que tinha esbarrado num pilarete de cimento. Bom, lá consegui – com ajuda – sentar-me no chão e disse às minhas colegas que entretanto tinham chegado: não se preocupem, isto já passa. Só preciso de estar sentada por um bocadinho. Ora uma foi buscar uma mesa, a outra uma cadeira e a terceira o pequeno-almoço. E eu fiquei sentada – já na cadeira – a comer à espera que passasse. Não passou. Fiquei seis meses de baixa, dois deles de muletas e foram dois anos de fisioterapia…

Curioso é que, quando estava no 2º ano do ciclo (actual 5º ano) corri à frente dum comboio, numa linha férrea, e não tropecei. Diz quem viu que eu parecia ter asas nos pés…

E vocês, que quedas já deram? Ou tem a sorte de nunca terem caído?

30 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D