Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

O Bicho-da-Seda

Capa O Bicho da Seda.jpg

O Bicho-da-Seda de Robert Galbraith
Edição em 2015 pela Editorial Presença
ISBN: 9789722354479
 
Sinopse
Quando o escritor Owen Quine desaparece, a sua mulher contrata os serviços do detective privado Cormoran Strike. De início pensa que o marido se ausentou por uns dias - como já acontecera anteriormente - e recorre a Strike para o encontrar e trazer de volta a casa.
No decorrer da investigação, torna-se claro que o desaparecimento do escritor esconde algo mais.
Quine tinha acabado de escrever um romance onde caracterizava de forma perversa quase todas as pessoas que conhecia. Se o livro fosse publicado iria certamente arruinar algumas vidas - pelo que haveria várias pessoas interessadas em silenciá-lo. E quando Quine é encontrado, brutalmente assassinado em circunstâncias estranhas, começa uma corrida contra o tempo para tentar perceber a motivação do cruel assassino, um assassino diferente de todos aqueles com quem Strike se tinha cruzado...
Um policial de leitura compulsiva com um enredo que não dá tréguas ao leitor, O Bicho-da-Seda é o segundo livro desta aclamada série protagonizada por Cormoran Strike e pela sua jovem e determinada assistente Robin Ellacott.
 

A minha opinião

Poucas serão as pessoas que não sabem que Robert Galbraith é, na verdade,  J.K. Rowling, a aclamada autora da saga Harry Potter e que prova, com este pseudónimo, que a sua escrita é de valorizar e acompanhar.

O primeiro livro de RG foi Quando o Cuco Chama. Oportunamente falarei sobre ele. Neste segundo livro daquilo que se espera seja uma série – à semelhança de Hercule Poirot, Miss Marple ou Sherlock Holmes – vamos encontrar Strike, o detective e Robin, a sua assistente.

A vida profissional de Strike está em fase crescente com a resolução do caso do assassinato de Lula Landry (no primeiro livro) e isso reflecte-se na quantidade de clientes que agora recorrem aos seus serviços de detective.

Leonora, a mulher de Quine, depois de vários dias sem saber do marido, resolve ir ter com Strike para lhe pedir ajuda para encontrar o escritor desaparecido quer porque a filha, Orlando, precisa dele quer porque estão sem dinheiro. Na ideia de Leonora, Quine desapareceu, como fez tantas outras vezes, para estar com alguma amante ou para escrever algum livro mas como ninguém a ajuda, pensa que Strike será a melhor pessoa para o fazer.

Strike, ao contrário do que lhe é habitual, aceita este caso sem ter a certeza que chegue a receber pelo trabalho, porque acha Leonora uma pessoa simples, honesta e apaixonada pelo marido que não a respeita.

Strike e Robin, a sua secretária maravilha que ambiciona ser detective e colaborar ainda mais com Strike, iniciam a investigação, vindo a descobrir, aos poucos, que Quine é um crápula e que escreveu um livro onde retrata, de uma forma maldosa, todos os “amigos” e família.

Até que descobrem Quine morto, numa casa abandonada, da mesma forma em que é assassinada a personagem principal do livro, o que levanta diversas suspeitas, tanto à polícia como ao par principal – Strike e Robin – sendo que são eles que acabam por descobrir o verdadeiro culpado de tão hedionda morte.

Uma boa parte da trama deste livro passa-se no meio literário – editores, autores, bloguistas – o que lhe traz, quanto a mim, um gostinho especial.

Sempre gostei de policiais com bastante suspense, género do qual Agatha Christie é o expoente máximo, na minha opinião. Não vou dizer, de todo, que O Bicho-da-Seda tem a qualidade do Expresso da Meia-noite ou Cai o Pano (ambos com Hercule Poirot como detective) mas direi que anda lá perto. Nota-se, em relação a Quanto o Cuco Chama, uma marcada evolução na escrita da autora e estou em crer que, com a continuação, se superará a si própria num terceiro livro pelo qual ficarei á espera.

De referir ainda que é perfeitamente possível ler este livro sem ter lido o primeiro, que o pode fazer porque, apesar das personagens principais – Strike e Robin – serem as mesmas, as histórias são independentes. Por isso, que esperam? Leiam que não se vão arrepender.

18 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D