Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Pais vs Filhos

images.jpg

É inevitável. A partir de determinado momento as nossas crianças deixam de ser tão crianças assim e começam a querer tomar decisões. Pode ser o sítio onde se vão sentar para comer, a roupa que vão vestir ou se pegam numa faca para cortar a comida. Tudo serve para contrariarem os pais e tentarem levar a deles avante.

E isto é positivo, apesar de nem sempre os pais o perceberem. É sinal que estão a crescer e a ganhar autonomia. E por isso batalham ao máximo para que os pais cedam e os deixem fazer as coisas como eles querem. Levando a coisa ao extremo, quase que nos sentimos num verdadeiro cenário de guerra, com os pais a dizer alhos e os filhos a dizerem bugalhos, acabando por se envolverem em conflitos constantes, em que pais e filhos se esgotam – em argumentos e em paciência.

Ninguém quer viver em conflito. Qual é o pai/mãe que gosta de acordar a discutir com os filhos e passar assim o dia todo, até se ir deitar? Nenhum, obviamente.

Mas, por outro lado, quem é que gosta de ser constantemente contrariado, de que não lhe permitam ter ideias, decidir ou escolher? E é isto que os filhos sentem quando os pais fazem valer, a todo o custo, as suas decisões.

Há que encontrar um meio-termo, uma solução que permita que os pais não passem o dia a discutir e a impor-se aos filhos e, ao mesmo tempo, permita que os filhos tomem decisões.

A solução? Escolher as batalhas, as situações em que realmente é importante que os pais imponham a sua posição. Qual é a diferença entre a blusa azul ou a amarela? Entre a cadeira do lado direito e a do lado esquerdo? Se a vida da criança não está em risco, se a sua integridade física está garantida e se não vai ser mal-educada com alguém, porque é que tem de fazer daquela maneira e não doutra?

Ao escolhermos quais as situações em que é fundamental que a criança obedeça e ao deixarmos que, noutros casos, seja ela a escolher, estamos a respeitar a criança, a deixa-la crescer e a mostrar-lhe que confiamos nela. Ao mesmo tempo estamos a passar-lhe a mensagem de que, quando exigimos alguma coisa, é porque é mesmo importante e não um simples capricho da nossa parte.

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D