Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Pedro e o lobo

Lembram-se da história de Pedro e o Lobo? Um conto infantil, escrito por Sergei Prokofiev, e que nos traz a história de Pedro, um pequeno pastor que vivia afastado dos outros meninos da aldeia onde vivia. Um dia Pedro, por se sentir sozinho, resolve chegar à aldeia e dizer que vinha um lobo a caminho para comer os animais. Toda a aldeia se mobiliza contra o dito lobo… que não aparece. Pedro tinha mentido porque queria atenção. Chamado à atenção promete não voltar a fazer. Só que foi sol de pouca dura e pouco tempo mais tarde volta a repetir. Grita que vem um lobo a caminho, a aldeia junta-se em defesa dos seus animais… mas de lobo nem sinal. Mais uma vez Pedro é repreendido pela sua atitude e compromete-se a não fazer. Só que fez. Fez mais uma, mais duas…. Até que, um dia, um lobo aproxima-se mesmo do rebanho que Pedro guardava. Pedro, assustado, corre até à aldeia a pedir ajuda… mas ninguém na aldeia acredita nele. Acham que é mais uma mentira de Pedro para chamar a atenção. Quando Pedro volta para o seu rebanho, já a alcateia tinha matado quase todo o rebanho.
Num só conto Prokofiev traz-nos várias lições de moral. Primeiro que não devemos mentir. Se mentirmos, um dia podemos dizer a verdade e ninguém vai acreditar em nós. Por outro lado, e mais grave ainda, é quer chamar a atenção para nós próprios em detrimento de tudo o que nos rodeia. Um dia essa necessidade de chamar a atenção pode levar-nos a perder todo o que temos.
Um conto antigo, mas intemporal.
Vejamos vários exemplos de como esta história devia ser interiorizada por todos, sem excepção.
- Vou deixar de cantar - Sou fã de Pedro Abrunhosa. Nos seus primeiros tempos, fui a quase todos os concertos dele. Num dos concertos Abrunhosa anunciou que ia deixar de cantar e que o último concerto que ia dar seria no Terreiro de Paço, uns meses mais tarde. Nos tempos que se seguiram a este anúncio, os fãs foram enviando cartas (que ele publicou), foram feitos vários pedidos para que continuasse, enfim, as atenções centraram-se nele. Fui ao concerto anunciado como último e a última frase que ele disse foi – Adeus e até sempre. Ficamos convencidos que tinha sido o último mesmo. Ora bem, isto passou-se há mais de dez anos e, de lá para cá, já saíram mais dois ou três cd’s de Pedro Abrunhosa. Se hoje ele voltar a dizer que vai deixar de cantar… acham que alguém vai acreditar?
- Vou cortar os pulsos – A primeira vez que é dito, amigos e familiares ficam em cuidados, tentam perceber porquê, tentam demover, dar apoio… em suma, dão atenção. Se as ameaças inconsequentes se mantêm, aos poucos, e porque também tem vida própria, com os seus próprios problemas, amigos e familiares deixam de ligar… até ao dia em que até pode ser verdade e já ninguém vai ouvir.
Quem me conhece sabe que uso, com frequência, a seguinte expressão – vou ali matar-me, já volto. Digo-o sempre que estou irritada, com algum problema que, numa primeira análise, é complicado, ou quando vejo coisas que me deixam com comichão na ponta da língua. É claro que, se volto depois, é porque não me vou matar. Certo? Todos sabem disso e até há quem me responda – vai lá que eu espero aqui. Não demores.
Respeito-me demasiado para fazer ameaças que não pretendo cumprir. Aliás, respeito-me demasiado para não fazer ameaças, ponto final. Quando tomo uma decisão, tomo-a em plena consciência e não aviso. Faço. Respeito-me. Respeito‑vos. E tomada a decisão, não volto atrás. Posso arrepender-me. Mas fi-lo e assumo as minhas opções. Sem histórias. Sem invenções. Sem mentiras. Mesmo que não acreditem em mim. Em suma, não sou o Pedro nem vejo lobos onde não os há. Não quero, não creio e nem aceito os Pedro´s desta sociedade de lobos solitários...

 

(texto escrito e publicado aqui em Novembro de 2008 e que ainda é tão, mas tão, actual

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D