Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Sexualidades

este post da MJ contém linguagem sexual explicita, mas, ainda assim e apesar disso, sou da opinião que devia ser lido por toda a gente.

Como devem imaginar, sexo é coisa que me assiste. Aliás, sem ele, dificilmente teria dois filhos (acho que já todos passamos aquela fase em que acreditamos que os bebés são trazidos pela cegonha).

Aliás, e em relação a isso, num pequeno aparte, deixem-me contar-vos  que essa foi uma história que não existiu com os meus filhos. A ambos explicamos, quando as dúvidas surgiram, como se faziam e como nasciam os bebés. Adaptado às idades, obviamente mas sempre sem fantasias. Começámos por explicar que o pai colocava uma semente na barriga da mãe e que o bebé nascia dessa semente (e depois, um dia a minha filha perguntou-me onde se comprava essa semente...) e, aos poucos e consoante a idade e maturidade deles, fomos elaborando e explicando mais detalhes.

Mas voltando ao tema da sexualidade, não vos vou dizer que sou pudica, que não sou. E fica por aqui o que falo sobre o tema. A sexualidade de cada um é para ser vivida com o seu parceiro e não para ser partilhada com Deus e o mundo. Não há, para mim e na sexualidade, o certo e o errado. O que há é o que duas pessoas responsáveis e de forma consciente aceitam praticar em conjunto. Se um quer e o outro aceita... é com eles e não comigo. E poupem-me aos pormenores...

Nunca gostei da teoria do kissandtell muito em voga na adolescência. Quando alguma das minhas amigas começava a falar do que fez ou não fez, eu fazia os possíveis por mudar de assunto. Ainda hoje fujo do tema quase como que o diabo da cruz. Faz-me confusão, é assunto que diz respeito à minha privacidade e à privacidade do outros. Não exagerarei dizendo que é tabu mas anda lá muito perto.

O mesmo se passa com as relações homossexuais. Caramba, se eu não quero saber como é que um casal hetero o faz, porque raio vou querer sabe-lo num casal gay? É com eles. Se é consentido, se ambos quiseram... que tenham o máximo de prazer possível, é o que lhes desejo.

Gostava ainda de acrescentar um pequeno detalhe. Estou-me perfeitamente a borrifar para o tipo de cuecas que cada um usa. E a importância que dou às preferências sexuais de cada um é exactamente a mesma que dou ao tipo de cuecas que usam. Nenhuma!

17 comentários

Comentar