Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Simulacros

Simulacro_de_incendio_1.jpg

Já todos passamos por um ou dois daqueles simulacros de incêndio que as escolas e/ou empresas fazem para aferir da velocidade com que o local fica sem as pessoas, como se reage em caso de emergência e, nalguns casos, se há planos de contingência – por exemplo, nas escolas, onde ficam as crianças enquanto são resolvidos os problemas decorrentes dum incêndio.

Até aqui tudo normal, acho que faz sentido e parece-me lógico.

O que não me parece lógico, mas isso sou eu que tenho mau feitio, é que se avise que vai haver um simulacro. Dizia-me, no outro dia, uma amiga do peito, que foi avisada com umas horas (horas!!!) de antecedência que ia haver um simulacro de incêndio. Parece-me – mas posso estar enganada – que os incêndios não se fazem anunciar com horas de antecedência. Alguns nem com minutos, quanto mais com horas…

Outra coisa ilógica – mas pode ser do meu mau feitio – é que, quando apita o sinal de emergência, o pessoal se levante com a maior das calmas, pegue na carteira (ou na mala para as senhoras), no telemóvel e saia com a calma própria de quem não está em risco de ficar queimado num incêndio.

Sim, porque eu acredito piamente que, se a escola/empresa estiver a arder, toda a gente vai sair ordeiramente… ou então não, mas adiante.

É claro que se devem fazer simulacros, principalmente com crianças. Recordo-me, aliás, aqui há uns tempos, que, nos Estados Unidos, num dos muitos tiroteios em escolas, algumas professoras conseguiram que os miúdos saíssem da escola calmamente pelo meio do tiroteio porque lhes foi dito (aos miúdos) que era um simulacro.

E, naturalmente que se devem fazer simulacros para se tentar aferir se os meios de socorro estão a funcionar bem, se há arestas a limar, etc. O que não se pode é achar que a rapidez e a calma com que as coisas correm num simulacro não serão as mesmas que irão ocorrer numa situação real.

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D