Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

10 factos sobre Agatha Christie

1442254182-1442254182_goodreads_misc.jpg

Ainda no seguimento do 125º aniversário do nascimento de Agatha Christie, a Rainha do Crime, há alguns factos pouco conhecidos acerca da autora que o Goodreads partilhou com os seus utilizadores e que vos trago aqui hoje.

  1. Com 26 anos trabalhava com venenos

Depois de trabalhar como enfermeira durante a primeira guerra mundial, Agatha Christie tornou-se assistente de farmácia permitindo-lhe acesso a uma miríade de toxinas. "A morte por envenenamento foi o método que escolhi, provavelmente por estar rodeada de venenos" explicou a autora sobre a sua decisão de incluir estricnina e brometo no primeiro romance publicado, O misterioso caso de Styles.

  1. As suas melhores ideias apareceram enquanto comia maçãs e bebia chá — no banho.

Infelizmente, as banheiras modernas eram "muito escorregadias, sem um bom apoio de madeira para o lápis e papel," pelo que acabou por desistir deste hábito.

  1. Foi uma das primeiras pessoas britânicas a tentar surfar.

Teve essa oportunidade numa viagem para o Havai com seu primeiro marido, Archie Christie que já praticava bodyboard, tendo-se adaptado muito rapidamente a este desporto. "Fiquei especialista, ou pelo menos especialista do ponto de vista europeu — o momento triunfal do dia era quando mantinha o meu equilíbrio e ia em pé até à costa na prancha."

  1. Durante a segunda guerra mundial, o MI5 investigou Agatha Christie.

O culpado? O livro editado em 1941, N ou M . O MI5 ficou incomodado pela inclusão do romance de um personagem chamado Major Bletchley que alegava possuir segredos críticos em tempo de guerra. Questionaram então se a autora se estaria a referir a uma pessoa real, Dilly Knox, seu amigo e um criptoanalista no Bletchley Park. A romancista insistiu que se tratou apenas duma coincidência — "Bletchley? Meus queridos, eu estava presa nessa estação, na viagem de comboio de Oxford para Londres e vinguei-me, dando esse nome a um dos meus personagens menos amáveis." — e o MI5 acabou por terminar a investigação.

  1. Odiava pudim de marmelada, indo ao ponto de o usar para matar um homem no romance de 1953,Um punhado de centeio

No entanto, e para ser justo, a causa da morte foi taxina, um veneno alcalóide que foi colocado na marmelada que a vítima comeu.

  1. No auge de sua popularidade, Christie via-se como uma "máquina de encher chouriços ".

A editar dois livros por ano e com um calendário bastante exaustivo  declarou: “Sou uma máquina de encher chouriços, uma autêntica máquina de encher chouriços".

  1. Agatha Christie cresceu a acreditar que sua mãe era vidente.

A Rainha do Crime sempre afirmou que a sua infância foi "muito feliz", provavelmente pela educação que lhe foi dada pela mãe, que acreditava ser vidente. Apesar de serem católicos, o exoterismo predominava na sua casa.

  1. Ninguém pode confirmar ou negar que alienígenas abduziram Agatha Christie em 1926.

É apenas mais uma das teorias (e seguramente a mais parva) que tenta explicar o desaparecimento da autora. Na noite de 3 de Dezembro de 1926, após o marido lhe pedir o divórcio, a escritora despediu-se da sua filha com um beijo, meteu-se no carro e, por onze dias, ninguém soube dela. Mais de 15.000 voluntários procuraram na área sem sucesso. Chegou a ser equacionado que teria sido assassinada pelo marido Archie, até que, onze dias depois, Agatha Christie apareceu num hotel em Harrogate, Inglaterra. Este desaparecimento nunca foi explicado.

  1. Para além de ser uma escritora famosa de crime e mistério, foi também uma escritora de romances de sucesso.

Agatha Christie escreveu seis romances sob o pseudónimo de Mary Westmacott, incluindo Retrato inacabado, uma história semi biográfica sobre um escritor que tenta suicídio após seu casamento se desmoronar.

  1. Agatha Christie vendeu mais livros do que o número de habitantes na China e na América.

Com quase quatro bilhões de cópias vendidas em 103 línguas, ela permanece como a escritora com mais livros vendidos de sempre

Um décimo primeiro facto interessante é que As Dez Figuras Negras foi escolhido como o melhor romance de Agatha Christie numa votação que se realizou no início deste mês de Setembro.

Agatha Christie

agatha7339cbbd_base.jpg

 

Se fosse viva, faria hoje 125 anos.

Autora de uma das minhas personagens principais favoritas, Hercule Poirot bem como duma das minhas personagens secundárias favoritas, capitão HastingsAgatha Mary Clarissa Christie nasceu a 15 de Setembro de 1890 e morreu em 12 de Janeiro de 1976.

É, de acordo com o Guiness Book, a romancista mais bem sucedida da história da literatura popular mundial, sendo que, quarenta anos depois da sua morte, os seus livros continuam a vender milhares, apesar de se passarem na primeira metade do século XX. Falando em números, dos seus livros "só" foram vendidas aproximadamente quatro bilhões de cópias ao longo dos séculos XX e XXI, ultrapassada apenas pelas obras de William Shakespeare e da Bíblia.

A Rainha do Crime publicou, ao longo da sua vida, mais de 300 obras - romances de mistério, poesia, peças para rádio e teatro, contos, documentários, uma autobiografia - algumas sob o pseudónimo de Mary Westmacott.

O grande encanto dos policiais escritos pela Rainha do Crime são os desfechos impressionantes e complicados, tornando, quase impossível, ao leitor, descobrir, antes de tempo, o criminoso.

No entanto o maior mistério que a autora deixou foi o seu próprio desaparecimento. Entre 3 e 19 de Dezembro de 1926 Agatha Christie esteve em parte incerta. Apesar das diversas teorias que surgiram na altura, a verdade é que nunca se teve a certeza do que realmente se passou.

A presença da Rainha do Crime no Guiness Book não se prende apenas com as vendas dos livros... The Mousetrap, uma peça de teatro escrita por Agatha Christie, estreou em 25 de Novembro de 1952 no Ambassadors Theatre em Londres, em 25 de Março de 1974 foi para o St. Martin's Theatre, onde continua até hoje, sendo, por isso, a peça de teatro há mais tempo em cena.

Outro recorde de Agatha Christie é o do livro mais espesso do mundo, medindo mais de 30 cm, com 4032 páginas nas quais estão incluídos todos os 12 romances e 20 contos protagonizados por Miss Marple. The Complete Miss Marple é um dos livros mais raros da escritora. Publicado pela Cedric & Chivers Period Bookbinding, o livro é em sua maior parte de couro, com ouro em algumas partes, e dezesseis páginas feitas à mão. Foram produzidos apenas 500 volumes.

Na sua autobiografia, Agatha Christie diz que o grande prazer em escrever histórias policiais é que há vários géneros a escolher:

(...)a história policial intrincada, com um enredo complicado, tecnicamente interessante e que requer muito trabalho, mas é sempre compensadora e, ainda, o que posso descrever como a história policial que tem como pano de fundo uma espécie de paixão: nesse caso, é a paixão o que ajuda a salvar a inocência. Porque é a inocência que importa, não a culpa.(...)

Li quase todos, se não todos, os policiais que Agatha Christie escreveu. Li duas ou três vezes cada um deles porque sempre me encantou a maneira acessível como os livros estão escritos. Mas um deles marcou-me. Cai o Pano, o Último Caso de Poroit. Confesso que tive de reler algumas vezes o final para ter a certeza que estava a ler bem. 

E vocês? já leram algum livro da Rainha do Crime? qual é que gostaram mais ou que vos marcou mais?

Fontes:

Wikipedia

Wook

TVI