Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Saudação

unnamed.png

Dizia o meu bisavô – que eu tive o grato prazer de conhecer e que morreu quando eu tinha seis ou sete anos – que a saudação não se nega a ninguém.

Entenda-se, por saudação, o cumprimento. Um bom dia, boa tarde ou boa noite conforme a hora a que nos estejam a ouvir (e é irrelevante, aqui para este texto o facto de que se pode dizer bom dia todo o dia que continua válido).

E este cumprimento, esta saudação, seja da forma que for, não se nega. E é prova de educação, de civismo e, acima de tudo, de que estamos a dar atenção a quem está à nossa frente. É por isso que, sempre que chego ao trabalho digo “bom dia!” a quem está e espero por resposta. E é também por isso que, quando chego a qualquer serviço para ser atendida digo, a quem me vai atender “bom dia!” antes de pedir seja o que for.

Irrita-me, por isso, solenemente, que a pessoa, do lado de lá, atenda o meu pedido sem que me diga o mesmo. Pior ainda quando preparam tudo, dão-me as coisas e nem sequer quando peço a conta são capazes de falar.

E o mesmo se passa com o Se faz favor! e o Obrigado!

Será que queima a garganta dizer estas palavras? Será que acham que são superiores aos outros e que os outros não merecem ouvir?

Bom dia! Boa tarde! Boa noite! Se faz favor! Obrigado!

Quatro, são quatro expressões simples que podem fazer toda a diferença num atendimento ou numa conversa. Quatro expressões inconsequentes, que não vos queima a garganta ou a boca, que não causam engulhos ou mal entendidos mas que devem ser ditas.

E devem ser ditas porque são uma forma de saudação. E essa, não se nega.