Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Compra de livros

pilha_compras_002.jpg

É, sem dúvida, o meu vício. Há quem fume, há quem se drogue, há quem beba. Eu compro livros. Ou melhor, eu compro e leio livros. Não tem efeitos na saúde (felizmente a doença que a Maria arranjou não existe…) mas tem efeitos na carteira.

É que, convenhamos, os preços dos livros, na maior parte das vezes, não são altos. São altíssimos! Felizmente tenho podido – financeiramente – comprá-los mas nem sempre foi assim e pode ser que um dia deixe de o ser. E muita gente quer comprar mas não consegue atendendo a esse mesmo problema, o preço!

Certo. Há sempre a possibilidade de os ir buscar à biblioteca, ler e devolver. Mas não é, de todo, a mesma coisa.

Mas, da mesma forma que my precious books não saem lá de casa, há quem os compre, leia e venda. Nada a opor, ainda para mais quando posso ganhar com isso (ok, este momento egoísta era dispensável).

Descobri um site onde este encontro – entre quem quer vender livros usados e quem os quer comprar – está facilitado. Falo-vos do Bibliofeira que é precisamente uma espécie de feira de livros usados. Já lá estou inscrita e já fiz a minha primeira compra.

Depois, para além deste site, há dois ou três grupos fechados no facebook para compra e venda de livros usados (num deles o valor do livro já com os portes não pode exceder os dez euros).

Agora mudei um pouco a filosofia. Desconfio que será raro comprar um livro novo (a menos que queira mesmo mas mesmo muito aquele livro) ou um livro que custe mais de dez euros. Procurando bem numa dessas opções, com certeza que encontrarei o que quero – depois de ler os 107 que tenho em espera – a um preço bastante mais apetecível e aceitável.

Eu & os escritores

tumblr_mgilatImu61rkaw4zo1_500.jpg

Este é um problema recorrente aos booklovers ou livrólicos anónimos (adorei este termo que encontrei, no outro dia, num outro blog).

Imaginem que, de momento, já lemos os livros todos que tínhamos em casa, queremos (ou podemos) comprar um novo livro e vamos até à livraria (seja ela on line ou num espaço físico). Com tanta oferta disponível, que livro escolhemos e de que escritor?

Será que preferimos não sair da nossa zona conforto e vamos comprar daquele autor que, à partida, sabemos que vamos gostar porque já o lemos? Ou será que arriscamos e compramos daquele escritor de que já ouvimos falar mas do qual nunca lemos nada?

Confesso que faço um mix de ambas. Há escritores que são passageiros frequentes da minha lista de compras – Ken Follett, Juliet Marillier, Marion Zimmer Bradley, Anne Bishop ou John Grisham (entre outros) – tenho vários livros de cada um deles e sei que não me desiludem. Bom, ok, um dos livros que me desiludiu foi precisamente de Ken Follett mas, em contrapartida, é também dele um dos meus livros favoritos de sempre.

Mas também compro de escritores que nunca li. E com isso já descobri algumas pérolas. É o caso de Stieg Larsson, Jodi Picoult, James Patterson, ou Gary Jennings (deste último tenho muita pena que não haja mais nada editado em português, para além de Orgulho Asteca e Sangue Asteca.). Eram autores que eu desconhecia e que, caso não tivesse arriscado comprar os livros, nunca os teria lido.

Creio – mas é a minha opinião, claro e que resulta desta experiência – que, às vezes, devemos sair da nossa zona de conforto (leia-se autores que já conhecemos) e arriscar em escritores que desconhecemos. Podemos ter uma desilusão, é verdade. Mas também podemos ter uma grande alegria. E, pensando bem, este arriscar em sair da zona de conforto, não é só verdade neste caso mas em toda a nossa vida. Viver sempre na zona de conforto não é viver, é sobreviver.

E viver é tão melhor que sobreviver!

E vocês? Qual é o vosso critério de compra dos livros?