Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Ir de férias com os nossos animais

Aparentemente está cada vez mais fácil poder levar os nossos cães de férias connosco, como qualquer membro da família. Aliás, basta consultar o Booking.com ou o trivago.pt e vemos, com agrado, a seguinte frase: traga o seu amigo de quatro patas! Este alojamento aceita animais de estimação.

Mas será mesmo assim?

Tínhamos pensado, inicialmente, ir passar uma semana de passeio pelo norte de Portugal agora em Setembro, antes das aulas iniciarem. Mas como entretanto decidimos mudar de casa, optamos por poupar o dinheiro dessas férias para os gastos inerentes a uma mudança de casa. Mas como o bichinho do passeio ficou, pensamos em ir passar apenas 3 dias – sexta a domingo – num sítio qualquer. E, imbuídos do espirito “traga o seu amigo de quatro patas” pensamos em levar a a Bunny e a Saphira connosco. Sempre poupávamos 60 euros (o custo do hotel para cães onde elas ficam quando é preciso) e estava a família toda junta.

E lá fui eu, feliz da vida, procurar um hotel que aceitasse animais, a uma distância no máximo de duas horas de casa para esse fim de semana. Primeira opção, Sertã. Bónus pelo sítio, sempre podia comer maranhos e visitar alguns amigos que não vejo há mais de 20 anos (nem tentem perceber porquê, tem uma razão válida para ter acontecido). O hotel aceitava animais, até tinha um comentário de alguém que diz que pode levar a sua cadela… por nós estava feito, tudo a favor.

Mas como eu sou desconfiada destas coisas, depois da marcação feita, liguei para lá a confirmar se as podia levar. Só tive tempo de dizer: temos duas cadelas… e nem continuei porque fui logo interrompida pela senhora que me atendeu, dizendo: nem pense em trazê-las para cá. Como???? Eu ainda retorqui dizendo: mas no booking.com diz que aceitam animais… a resposta foi: eu é que sei o que aceito. Se fosse uma cadelinha de colo eu ainda abria uma excepção, agora duas? Nem pense. Anule lá a reserva que eu não quero cães aqui.

Fiquei logo com os cabelos em pé. Digam-me lá, de que serve anunciar que aceitam animais se depois não os querem lá? Não percebem que, assim, ainda é mais negativo para o hotel?

Na tentativa seguinte, mas para Reguengos de Monzaraz, a conversa foi outra. O proprietário explicou-me que não tem problema algum com cães, havendo apenas duas condições: que se pague um adicional de limpeza pelo quarto e que não haja mais cães, naquele período no hotel. Consigo perceber ambas. Por mais cuidado que se tenha, cães largam pelo e, naturalmente, a limpeza tem de ser maior que o normal. E havendo dois cães que não se conheçam no mesmo espaço, tanto pode correr bem como mal. Correndo mal, fica o fim de semana estragado para todos sem necessidade. Assim sim. Está feita a reserva e estamos apenas à espera que nos confirmem se não há mais reservas, para esse fim de semana, com cães envolvidos.

Duas experiências sobre o mesmo tema. A mesma comodidade anunciada nas reservas. Dois resultados opostos.

Mais alguém teve uma experiencia deste género que queira partilhar? Ou um local que conheçam onde possamos ir descansados com as nossas patudas para que elas possam ter mais dias felizes como este:

21100280_10155684383124510_216903006_n.jpg

#naohadesculpa

20246480_10159182632220311_3178491596122811120_n.j

Nas férias, no Natal, no Inverno. Porque fazem xixi, porque ladram, porque deitam pelo. Porque nasce um bebé, porque mudam de casa ou de cidade. Porque estão velhos, porque são novos, porque estão doentes ou porque precisam de vacinas. Porque roem os livros. Porque há alergias, porque o veterinário é caro, porque...

Mil e uma razões, nenhuma delas realmente válidas. Não há, realmente, razões válidas para abandonar os animais. Quando se adopta um cão, um gato, um coelho ou uma tartaruga, assumimos um compromisso. Com eles, com os animais que passam a fazer parte da nossa família. Um compromisso até que a morte nos separe.

A nossa família, neste momento, tem 4 seres de duas patas e 4 seres de quatro patas. A Bunny e a Saphira adoptaram-nos como família há quatro anos. Podem, se tiverem curiosidade, saber a história da adopção da Bunny aqui  e da adopção da Saphira aqui.

Desde o primeiro dia (e apesar de ter sido uma adopção de impulso) que assumimos o compromisso de dar o nosso melhor pelas nossas meninas. Em tudo. E isso inclui virem de férias connosco para Sesimbra. E leva-las à praia quando anoitece e poucos seres de duas patas lá andam. Elas deliram, a Bunny dentro de água e a Saphira na areia. Correm, brincam, nadam, escavam, sempre sobre o nosso olhar atento. E mesmo que isso signifique que jantamos à meia noite não faz mal porque só olhar para a felicidade delas é mais que suficiente.

A Samedi e a Riscas são as nossas coelhas. Essas ficam em casa. Nos primeiros anos - quando tínhamos seis coelhos - vinham também connosco mas entretanto percebemos que era muito stressante para os coelhos saírem do seu ambiente e por isso a nossa amiga Nanda vai lá a casa uma ou duas vezes por dia para tratar da Samedi e da Riscas.

A União Zoófila está a juntar, num só álbum, as fotos que lhes são enviadas de animais em férias. Ora espreitem lá como os animais ficam tão felizes com os seus donos.

Pela minha parte... ora vejam as nossas meninas:

Bunny2.jpg

 (férias na praia, para a Bunny, implica nadar atrás das gaivotas)

IMG_20170723_110340_809.jpg

 A Saphira é muito ciosa das minhas leituras...

Patudos.jpg

 As quatro meninas, pouco antes de virmos de férias. A Samedi é a coelha preta, mãe das Riscas

Saphira1.jpg

 Já a Saphira só entra na água se for obrigada ou se for a correr atrás da Bunny. Prefere escavar ou rebolar na areia

Saphira2.jpg

 Impossível resistir a este ar de felicidade

Guincho

Ontem fomos ao Guincho. E as gaiatas de quatro patas não se divertiram nada como se pode ver:

WP_20150909_17_52_15_Pro.jpg

WP_20150909_17_52_17_Pro.jpg

 WP_20150909_17_52_31_Pro.jpg

 WP_20150909_17_52_49_Pro.jpg

 WP_20150909_17_53_12_Pro.jpg

 WP_20150909_17_53_22_Pro.jpg

 WP_20150909_17_54_01_Pro.jpg

WP_20150909_18_00_50_Pro.jpg

 WP_20150909_17_54_17_Pro.jpg

 WP_20150909_17_54_35_Pro.jpg

 WP_20150909_17_56_08_Pro.jpg

 WP_20150909_17_56_12_Pro.jpg

 WP_20150909_17_56_23_Pro.jpg

 Claro que nós também nos divertimos. E, para acabar em beleza, nada como um gelado no Santini.

Ahhh as férias... as férias!

As melhores ilhas para as férias

Com o alto patrocínio da revista Volta Ao Mundo, aqui ficam as melhores sete ilhas para passar férias.

 

Fiji, Melanésia

O arquipélago é composto por 322 ilhas, mas um terço delas não tem população humana. Viti Levu e Vanua Levu são as ilhas principais, sendo que na primeira está a capital, Suva. Montanhas, florestas, praias e bom tempo são as ofertas deste estado da Oceânia, vizinho de Tuvalu, Tonga ou Nova Caledónia. Os europeus só aqui chegaram em 1804 e o país tornou-se independente do Reino Unido em 1970.

 

Ilhas Faroé, Dinamarca 

O arquipélago a meio caminho entre a Escócia e a Islândia é composto por 18 ilhas, tem cinquenta mil habitantes e depende da administração da Dinamarca, apesar de ter moeda, língua e governo próprio. Já foi escolhido pela National Geographic como o destino turístico mais sustentável do mundo (os Açores ficaram em segundo), tem cerca de 320 dias de chuva por ano e uma história cheia de vikings e façanhas no mar. O primeiro-ministro Kaj Leo Johannesen foi guarda-redes da seleção das ilhas Faroé e é um apaixonado por Portugal.

 

São Jorge, Açores, Portugal 

É a ilha das escarpas, das paisagens que parecem irreais, do belo queijo e da melhor vista para o Pico. Fica no grupo central do arquipélago dos Açores e tem como localidades principais Calheta e Velas. Se é um apaixonado pela natureza, não perca as fajãs do Ouvidor, da Caldeira de Santo Cristo (bom spot para o surf), dos Vimes ou de São João.

 

Frízia, Holanda, Alemanha e Dinamarca 

O arquipélago estende-se pelo território marítimo de três países, mas tem uma identidade própria, com caraterísticas únicas quanto a idioma e etnicidade. Também é conhecido por ilhas Wadden. É rico em gás e petróleo, o que nem sempre é compatível com as boas práticas ambientais. Consta que é um dos locais do mundo ao qual chegam mais mensagens em garrafas lançadas ao mar.

 

Boavista, Cabo Verde 

Praia, sol, música, mergulho, gastronomia, simpatia. Tudo está no cardápio de Cabo Verde e na ilha da Boavista, a pouco mais de 450 quilómetros de distância da costa africana. É a terceira maior ilha do país e uma das mais procuradas pelo mercado do turismo. Sal Rei é a principal localidade deste território com cerca de 30 quilómetros de uma ponta à outra. Oferta hoteleira não falta e de qualidade.

 

St. John, Ilhas Virgens Americanas 

Cerca de sessenta por cento da ilha é reserva protegida do Parque Nacional das Ilhas Virgens. O único acesso é por mar, não dispõe de aeroporto, e está a seis quilómetros da ilha-capital: St. Thomas, onde encontramos a cidade de Charlotte Amalie. As suas praias são famosas em todo o mundo, com destaque para Trunk Bay. Leve o equipamento de mergulho, não irá arrepender-se.

 

Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe 

Fica no golfo da Guiné, ao largo da ilha de São Tomé, exatamente na linha do equador. O turismo é a principal atividade (aqui encontra-se o hotel Pestana Equador) e a beleza natural das suas praias não deixa dúvidas. Para lá chegar é necessário viajar cerca de sessenta quilómetros desde a capital do arquipélago e apanhar um barco na Ponta Baleia.

 

Não aceitamos animais!

31SYJdr908L.jpg

Sempre que ouço alguém dizer que procurou um hotel ou uma casa para arrendar nas férias e lhes respondem que não aceitam animais, lembro-me sempre da história dum homem que ia viajar com o seu cão e que escreveu antecipadamente ao Hotel Amador, em Las Cruces, no Estado do Novo México, para saber se podiam acomodar um hóspede ‘de quatro patas’.

Eis a resposta:

Trabalhamos na indústria hoteleira há mais de 30 anos. Até agora nunca precisamos chamar a polícia para expulsar um cão que promovesse distúrbios até altas horas da noite. Até hoje nunca vimos um cão pôr fogo na roupa de cama por adormecer com um cigarro na mão. Nunca encontramos uma toalha ou um cobertor do hotel na mala de um cão, nem manchas deixadas nos móveis pelo fundo da garrafa de um cão.

É claro que aceitamos o seu cão.

PS: Se ele se responsabilizar pelo senhor, venha também.

Meu querido mês de Agosto

Untitled.png

Enquanto há quem queira saltar para Setembro, eu gostava que o mês de Agosto se prolongasse mais um bocadinho. Ou um bocadão, já agora.

Por norma é em Julho que vou de férias e em Agosto já estou a trabalhar. Gosto imenso das férias mas como não odeio o meu trabalho, não me custa assim tanto regressar ao trabalho. Claro que ficava sempre mais uns dias a ler e na praia mas, em Agosto, estar na praia é quase como viver Onde Está o Wally? – versão praia.

Como não tenho vocação para Wally (ainda para mais as riscas fazem-me ainda mais gorda), esta é a altura ideal para não estar na praia e sim a trabalhar.

E porquê, perguntam vocês.

Porque, em Agosto, Lisboa partiu para parte incerta. Os transportes estão bastante mais vazios (apesar de, infelizmente, continuar a haver quem não sabia andar de transportes públicos), há muito menos gente nas ruas e menos clientes para atender. Há menos gente nos cafés e restaurantes, menos pressa em chegar a qualquer lado e, ao fim do dia, chegamos a casa ainda de dia. As noites, na maior parte dos casos, até são agradáveis e, se quisermos sair para um café, até o podemos fazer.

Está calor, é um facto. E os ares condicionados funcionam – infelizmente para mim e para o meu querido nariz – o que nos deixa refrescar quando chegamos a qualquer lado.

Enfim, razões mais que suficientes para gostar deste mês e, acima de tudo, para gostar de estar a trabalhar nesta altura do ano.

15 viagens a fazer

c641c9bc-d52a-4843-8fa2-bd305f4de931.jpg

Uma lista de 15 viagens para todos os gostos: de avião, barco, comboio, carro ou a pé.

 

Transiberiano – Europa/Ásia

É daqueles destinos que quase todos os viajantes têm na sua lista de sonhos a cumprir. A maior linha ferroviária do mundo, cerca de nove mil quilómetros que unem Moscovo a Vladivostok, com passagem pela Sibéria e paraísos como o lago Baikal, o lago de água doce mais profundo do planeta. A linha desmultiplica-se em várias linhas, na verdade, entre elas o Transmongoliano, que passa pela Mongólia e tem Pequim como destino final. Dá para fazer de forma livre ou com uma agência especializada. Em qualquer dos casos, convém levar O Grande Bazar Ferroviário, livro de Paul Theroux. Pela qualidade da escrita e para perceber o que mudou em quase quarenta anos.

 

El Caminito del Rey – Málaga, Espanha

A história é simples: em 1921, o rei Afonso III foi obrigado a cruzar este caminho, para a inauguração de uma barragem (Conde del Guadalhorce) e desde então ficou conhecido como El Caminito del Rey. Tudo porque não era um caminho qualquer, chegando mesmo a ser considerado como o mais perigoso do mundo. Uma passagem de três quilómetros cravada nas paredes de um imponente desfiladeiro andaluz. Depois de vários anos votado ao abandono, reabriu em março e pode ser percorrido com as devidas condições de segurança.

 

Allure of the Seas - Caraíbas e Mediterrâneo

A cada ano que passa há um navio de cruzeiro gigante, o novo maior navio de cruzeiros do mundo. Tudo indica que o título esteja agora na posse do Allure of the Seas, da Royal Caribbean. Uma verdadeira cidade aquática com 360 metros de comprimento e capacidade para acomodar 6300 passageiros. Teatro ao ar livre, um carrossel, ginásio, spa, quatro piscinas, simulador de surf e um grande espaço aberto com vegetação tropical são alguns do elementos que mostram a sua grandeza. Costuma andar pelas Caraíbas, mas de vez em quando também vem até ao Mediterrâneo.

 

Franklin River - Austrália

É um rio menos conhecido mas nem por isso menos espetacular. Selvagem, radical, é o local perfeito para todos aqueles que gostam de aventura. De rafting. Fica situado bem lá longe, nos antípodas, na mítica Tasmânia, património da natureza repleto de água, ar puro, gorges (gargantas) e desfiladeiros de cortar a respiração.

 

Route 66 – EUA

É daqueles lugares comuns aos quais é impossível fugir. Se é que é mesmo preciso fugir de todos eles. Mais de 3500 quilómetros (não é fácil saber qual a distância exata) que ligam Chicago a Santa Mónica, na Califórnia. Um lugar que todos parecemos conhecer mesmo sem nunca ter lá estado, tal os filmes icónicos que ali foram rodados. Mas nada como ir para o terreno. De carro ou, porque não?, numa Harley Davidson. Os norte-americanos pensaram em tudo e há várias empresas onde poderá fazer o aluguer.

 

Cruzeiro do Nilo – Egito

Tempos houve em que se sabia tudo sobre os rios, tal era a importância que tinham no desenvolvimento de uma cidade ou de um país. Esses tempos já lá vão, mas há uma pergunta de quiz que dificilmente alguém falhará: qual o rio mais extenso do planeta? O Nilo, claro está, mais de sete mil quilómetros com passagem por dez países africanos. Desagua no mar Mediterrâneo, no Egito. Cerca de noventa por cento da população egípcia vive mesmo junto às suas margens, entre eles os quase dez milhões de habitantes do Cairo. O porto perfeito para embarcar.

 

Fiordes da Noruega – Bergen, Noruega

Há fiordes na Nova Zelândia e no Chile; há fiordes na Islândia e até no Brasil (um fiorde tropical, saco do Mamangua, em Paraty); e depois há os fiordes noruegueses. Talvez seja mais correto afirmar que há os fiordes noruegueses e depois todos os outros. Bergen, cidade rodeada de montanhas, é o ponto de partida por excelência para esta viagem mágica. Uma viagem onde todos os caminhos vão dar ao fiorde de Sognefjorden, o maior e mais profundo da Noruega, com 204 quilómetros de extensão, apenas superado pelo Scoresby Sund, na Gronelândia. Mas a Gronelândia é outro mundo!

 

Ring Road - Islândia

A Islândia é cerca de dez por cento maior do que Portugal, mas tem apenas uma estrada principal, a Ring Road – 1300 quilómetros que dão volta à ilha. A explicação é simples, afinal este país (a tradução literal é terra gelada) está repleto de locais protegidos onde o alcatrão não é bem-vindo. O resto são estradas secundárias, muitas vezes em terra, que tanto podem ir dar a um geyser, uma cascata, como a um glaciar. Há um antes e um depois de uma visita à Islândia.

 

Estrada Pan-Americana – América do Norte ao Sul

Outra das grande viagens, sobretudo para os amantes das road trips. Há quem tire um ano sabático para fazer os cerca de 25 mil quilómetros que ligam o Norte do Alasca até o extremo sul da Argentina, na cidade de Ushuaia; há quem o consiga fazer em alguns meses; outros há que vão fazendo aos poucos, por partes, ao longo da vida. Existe um troço de cerca de cem quilómetros, entre a Colômbia e o Panamá, que tem de ser feito por via marítima, devido à densidade da vegetação tropical. A prova, se preciso fosse, da riqueza desta viagem.

 

Four Seasons Volta ao Mundo

Existem várias formas dar uma volta ao mundo – o grupo Star Alliance tem bilhetes específicos para quem quiser explorar os quatro cantos do planeta – mas fazê-lo a bordo de um avião do grupo Four Seasons é outro luxo. E tem outro preço. A companhia comprou um Boeing 757 com capacidade para 52 pessoas e criou vários pacotes de viagem. Para 2016 estão programadas quatro saídas. A primeira, que terá lugar entre os dias 26 de Janeiro e 18 de Fevereiro, passará por locais como Bora Bora, Sydney, Bali, Chiang Mai, Taj Mahal e Mumbai, Praga ou Londres. Custa a módica quantia de 120 mil euros por pessoa.

 

Deserto de Gobi - Mongólia/China

Gobi significa deserto, em mongol. Mas este não é um deserto com caraterísticas comuns. Situa-do entre o Norte da China e o Sul da Mongólia, é considerado um verdadeiro museu no que se refere à paleontologia. Ainda hoje há muito quem por lá ande à procura de pegadas de dinossauros e fósseis petrificados. Também há quem tente dar de caras com o leopardo das neves, espécie em vias de extinção que, por incrível que possa parecer, vive por estas paragens. Até porque se no verão a temperatura chega aos cinquenta graus, no inverno podem atingir valores bem negativos. A pedra é outro dos elementos dominantes da paisagem. Em 2003 foram descobertas duzentas esculturas que terão sido usadas por nómadas primitivos para adoração ao Sol.

 

Carretera Austral – Chile

Antes dos carros, das motos e dos camiões do Paris-Dakar se terem transferido de África para as paisagens do continente americano, já muitos ciclistas faziam da Carretera Austral um dos grandes desafios das suas vidas. Uma aventura de 1200 quilómetros na Patagónia chilena, com passagem por montanhas, florestas, glaciares e inúmeros lagos. Estrada apenas construída em 1988.

 

South Island – Nova Zelândia

Se não tiver possibilidade de conhecer as duas ilhas que compõe o arquipélago da Nova Zelândia, escolha a South Island (Ilha do Sul). É lá que se situam as mais belas paisagens, as melhores praias e as estradas mais cénicas. Entre elas o troço que liga a cidade Anau ao Milford Sound, o fiorde mais visitado do país.

 

The Blue Train - África do Sul

Cabinas com banheira, comida de luxo, talheres de prata, um mordomo por carruagem… Mais do que um comboio, o Blue Train é um hotel cinco de estrelas sobre carris. Uma ligação de 1600 quilómetros (inaugurada em 1923), que une Pretória, lá bem no Norte do país, à Cidade do Cabo. O sonho inicial era chegar ao Cairo, de forma a encurtar distâncias entre os países africanos e mostrar a diversidade de paisagens existentes no continente. Mostra a diversidade existente na África do Sul, país que é também uma espécie de continente. Um percurso para fazer ao som de Blue Train, o segundo álbum de originais de John Coltrane.

 

Mont Blanc – França

Há quem defenda que uma montanha só se conhece verdadeiramente quando a percorremos a pé. Mesmo, ou sobretudo, se essa montanha for o Mont Blanc (Monte Branco), a mais alta montanha do Velho Continente, com mais de 4800 metros de altitude. Uma aventura a fazer no inverno? Não, no verão ou mesmo no outono, antes que a neve torne a paisagem homogénea e esconda as suas muitas cores. Há várias rotas predefinidas, para diferentes níveis de dificuldade e sem necessidade por isso de recorrer a operadores. Ainda assim, e por questões de segurança, convém ir sempre ir em grupo.

 

Fonte: Revista Volta ao Mundo

Carnaval de Verão em Sesimbra

carnaval-verao-2015-topo_1_1400_550.jpg

Todos sabemos – ou pelo menos eu acho que sim – que o facto do Carnaval ser em Fevereiro ou Março – e em Portugal - não é exactamente o mais convidativo para usar bikinis e pouca roupa. Infelizmente a maior parte dos Carnavais em Portugal copiaram as tendências brasileiras, esquecendo-se que estamos em hemisférios diferentes e, por isso, lá, no Brasil, está calor enquanto aqui, em Portugal, está frio.

E todos sabemos – e eu continuo a achar que sim, que todos sabemos – que são gastos uns largos euros em acessórios para uma festa que, na melhor das hipóteses, acontece em dois dias – domingo e terça de Carnaval. Assim que acaba, os acessórios são postos de parte e começa-se a pensar na festa do ano seguinte.

Excepto em Sesimbra.

Todos os anos, em Sesimbra – normalmente no último fim-de-semana de Julho – há o Carnaval de Verão, em que as escolas de samba da terra desfilam na avenida junto à praia, para gaudio de quem vem assistir. E, por norma, nesse mesmo fim-de-semana, há o mega Samba que termina com o Mega Bateria, um encontro europeu de baterias das escolas de Samba.

Honestamente acho a ideia fantástica e uma forma de promover Sesimbra. E Sesimbra bem que precisa de ser promovida – apesar de alguns comerciantes continuarem a fechar para descanso do pessoal. Agora o que já não acho fantástico é que façam o dito encontro de baterias das escolas de samba na avenida ao lado da praia, tirando-nos o direito de gozar uma tarde de praia em descanso.

Gosto da praia em silêncio. Ou pelo menos do silêncio que é possível com as pessoas à volta, as brincadeiras das crianças, os risos de quem brinca na água ou na areia. Gosto de ouvir os meus pensamentos e de conseguir ler. E quero poder conversar com quem está na praia comigo, enquanto viro as páginas dum livro. Gosto de descansar na toalha enquanto seco. E tudo isto é impossível na tarde do encontro. Porque o som do samba e das baterias se sobrepõe a tudo e a todos e torna uma simples tarde de praia num inferno.

Ontem foi assim a minha tarde. Um inferno. Acabei o dia – eu e quem estava na praia (ouvi várias pessoas a dizer o mesmo, quando finalmente acabou) – com uma grande dor de cabeça (certo, é sinal que tenho cabeça) e houve quem se fosse embora mais cedo porque já não suportava tanta bateria.

Pergunto eu, será que quem pensa nestas coisas, só pensa neles e esquece-se de quem frequenta a praia?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D