Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Mais uma lavagem

Queridas pessoinhas que visitam esta humilde casa que tanto gosta de vós e das vossas visitas, não estranhem ao entrar mas fiz uma nova Lavagem de paredes e mudança de mobília com uma ajuda que aceitei na hora.

Digam lá que não ficou um trabalho excelente? Eu, que não sou nada suspeita, fiquei completamente apaixonada.

Obrigado, muito muito obrigado a quem teve a paciência de me ajudar!!! Adoro a minha casa nova e espero que todos vós gostem também.

Lavagem de paredes e mudança de mobília

Depois de descobrir que já se podia colocar, nos blogs, os Posts sugeridos, a opção que faltava (para mim) para tornar as casas deste bairro ainda mais atraentes, percebi que o meu template não permitia esta opção.

E chorei (pronto, não literalmente, mas quase). Chorei muito (ou então não)... a seguir fui à janela e atirei-me da ponte. Pronto, ok, estou em casa, a ponte é a 30 km daqui, mas isso agora não interessa nada.

A seguir gritei:

Socorro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ninguém me ouviu. Bom, talvez as cadelas tenham ouvido mas elas não me ligaram nenhuma.

Respirei.

E resolvi lavar a cara (a do blog, que a minha estava seca), mudar as mobílias de sítio - again, as do blog que as da sala são demasiado pesadas para as mudar sozinhas - e pronto, aqui estamos, de aspecto novo. E olhem, eu gosto. Espero que as pessoinhas queridas e simpáticas que me visitam também gostem. E aproveitem para visitar os Posts sugeridos aqui mais abaixo.

Velho do Restelo

 

Mas um velho, de aspecto venerando,

Que ficava nas praias, entre a gente,

Postos em nós os olhos, meneando

Três vezes a cabeça, descontente,

A voz pesada um pouco alevantando,

Que nós no mar ouvimos claramente,

C'um saber só de experiências feito,

Tais palavras tirou do experto peito:

Os Lusíadas, Canto IV, 94-97 (Luis Vaz Camões)

Na última semana as estrofes acima vieram-me várias vezes à memória. Não que tivesse pegado na minha nau para descobrir o caminho marítimo para a India mas porque, assim de repente, aconteceram várias mudanças e eu, tal como o Velho do Restelo de Camões, sou avessa às mudanças.

Na verdade, eu acho que todos os seres humanos são avessos à mudança. Só temos é formas diferentes de reagir à mudança.

Uns sabem que, o mundo pula e avança com as mudanças e por isso aceitam-nas bem.

Outros, onde me incluo, quando as coisas mudam acham sempre que é para pior, andam que nem umas baratas tontas nos primeiros tempos, mas depois começam a perceber que, afinal, as mudanças foram positivas.

E outros estrebucham, gritam, ofendem, e até são inconvenientes com quem originou a mudança.

A mudança do Sapo Blogs mostrou-me, mais uma vez, isto mesmo. Enquanto uns gostaram imenso logo no primeiro dia e foram apoiantes entusiastas da mudança, e outros passaram para a ofensa quase pessoal e estão a ameaçar retirar os seus blogs desta plataforma, eu tive quase vontade de me atirar da ponte. Ainda não me tinha habituado ao novo Office no trabalho (passamos do 97 para o 2010), era o primeiro dia do Windows 8.1 no computador de casa e levo com a mudança do meu sapinho. Epá, mudanças a mais ao mesmo tempo e o resultado foi que o tico e o teco ficaram que nem baratas tontas.

Ao mesmo tempo que me sentia assim, pensei numa coisa que aprendi à uns tempos – só nos devemos aborrecer a sério com as coisas que estão na nossa esfera de influência. E das mudanças todas acima que me estavam a irritar, nenhuma delas estava na minha esfera de influência. Eu não decido que Office se utiliza no emprego, já não se vendem computadores com o Windows 7 e quem decide as mudanças do Sapo Blogs é o Sapo.

Posto isto, resta-me respirar fundo, deixar de ser a Velha do Restelo e adaptar-me a todas estas mudanças. Tenho a certeza que vou conseguir. E se eu consigo, vocês também conseguem.