Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

StoneArt Portugal

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Eu e os meus livros. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Velhice

Idosos-Abandonados.jpg

Quando comecei este blog, em 2008, era minha intenção partilhar textos meus, mas também textos de outros, de autores mais ou menos conhecidos mas que me dissessem alguma coisa.

É o caso do texto da Maria sobre o Sozinho em Casa. Este texto não nos fala dos filhos. Mas dos pais. Dos avós. Aqueles que são ignorados constantemente por quem eles cuidaram toda a vida.

Não se passa isto lá em casa. Enquanto foram vivos, demos, aos meus avós, tudo o que eles mereciam. Quando o meu avô esteve às portas da morte no hospital, fomos todos para a porta da enfermaria, à espera de vez para entrar. E quando ele regressou a casa, todos os dias um de nós ia lá. A minha avó esteve num lar mas todos os dias nos revessávamos nas visitas. Isto quando não íamos todos ao mesmo tempo. Quando chegava o Natal e o Ano Novo, íamos busca-la para estar connosco a quadra completa – apesar do lar ser a 10 minutos de carro do sitio onde estávamos.

Já não estão entre nós. Nem os meus avós nem os pais do meu tio. De todos temos saudades, com todos passávamos esta época do ano, todas as épocas de todos os anos, e de todos tratamos e acompanhamos até que nos deixaram.

Infelizmente não é isso que se passa em muitos lados. Muitos velhotes estão sozinhos. Não só no Natal mas todo o ano. 365 dias de tristezas, de solidão, de não terem com quem falar. Cuidaram dos filhos, dos sobrinhos e agora, que precisam que tomem conta deles, desapareceram todos.

Quase todos os dias convivo esta realidade. Quase todos os dias tenho pessoas – porque são pessoas, seres humanos – que telefonam para o meu trabalho só porque precisam de conversar. Fingem ter assuntos a tratar para ouvirem outra voz que não a delas. Que nos pedem ajuda, sem pedir, para saberem que estão vivos.

Alguns nem as consultas médicas conseguem marcar e recorrem a nós para o fazer. Para outros, os mais próximos, somos o contacto de emergência a quem o hospital liga quando são internados. Somos quem perde um dia de férias para os levar ao hospital numa urgência. Somos quem se preocupa se têm comido como deve ser, se tomaram os medicamentos. Porque a família, essa, nunca aparece.

Ou talvez apareça um dia. Sim, um dia aparecem. Quando já não forem precisos, para saber se há bens ou dinheiro a herdar. Ai lembram-se que tiveram um pai, um avô, um tio. Que morreu sozinho, sem ninguém com quem conversar. Se deixou bens, era uma excelente pessoa. Se não, raio do velho que nunca foi útil.

A esses, a esses que tratam assim os velhotes que cuidaram deles, só lhes desejo que um dia não se arrependam.

(Não sejam timidos, leiam o texto da Maria no link acima. Vale mesmo a pena)

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D