Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Foto de Salih Güler

Esta frase foi dita por uma mãe surpreendida com a atitude que a filha teve numa sala de aula.
Infelizmente hoje em dia muitos são os pais que desconhecem as atitudes dos filhos (para não dizer que não conhecem mesmo os filhos que tem).
Muitas das atitudes que os filhos têm reflectem a educação, ou a falta dela, que os pais lhes dão em casa. Não serão todas, é certo. Os pais não podem ser culpabilizados por tudo, mas em muita coisa têm culpa.
Gostava de partilhar convosco algumas situações a que já assisti e que me parecem passíveis de deseducar as crianças. Mais uma vez, trata-se da minha opinião pessoal, e posso, obviamente, estar errada.
Uma criança de 5 anos, no hipermercado, andava atrás dos pais: "quero isto, quero aquilo, quero aqueloutro". E a tudo os pais acediam em dar-lhe. Chocolates, brinquedos, gomas, bebidas... A razão – "se não lhe damos, depois ele faz uma birra". E eu pergunto. Que adulto vai ser esta criança a quem lhe foram feitas todas as vontades em criança? Quando crescer esta criança vai estar habituada a ter tudo o que quer. E nós, adultos, já aprendemos que, na vida, nem sempre temos tudo o que queremos, e temos que tomar opções.
No autocarro, um miúdo com cerca de 6 anos, gritou, chamou nomes e bateu à mãe porque ela não o deixou ir em pé. A mãe... riu-se e disse, para quem estava à volta – "não tenho mão nele". Não tem mão numa criança de 6 anos? Então... e quando crescer? Será que esta mãe acha que o miúdo vai aprender sozinho a respeitar os mais velhos?
Uma miúda de 14 anos queixou-se ao pai que a professora não a deixou atender o telemóvel no decorrer da aula. E o pai, em vez de dizer que, enquanto decorre uma aula não deve atender o telemóvel (nem sequer deixar que toque, por respeito aos professores e aos colegas), mandou um recado à professora a avisar que, da próxima vez, lhe batia se a filha não pudesse atender o telefone.
Um amigo meu é professor. A semana passada levou um estalo dum pai, porque o filho tinha chegado a casa triste porque a nota no teste não tinha sido a que estava à espera. Palavras para quê? Que tal recomendar ao filho que se aplique mais em vez de bater ao professor? E ainda por cima à frente do filho.
E todos estes pais acham que estão a dar a melhor educação aos seus filhos. E depois não percebem quando os filhos faltam ao respeito aos mais velhos – porque não foi esta a educação que lhe dei.
Não me considero perfeita, nem sequer uma mãe perfeita. Amo os meus filhos mais do que tudo na vida. Fiz, faço e farei tudo por eles. Se calhar já falhei, estou a falhar ou irei falhar no futuro como mãe e como educadora. Mas não me passa pela cabeça dar tudo o que eles querem. Não quero que lhes falte nada. E incluo, no que não lhes deve faltar, o respeito pelos professores, o respeito pelos outros, a contenção nas compras, assumir as suas responsabilidades e a resolução de conflitos.
Nunca é cedo demais para as crianças aprenderem estes princípios. Ao invés, quanto mais tarde começam a aprender, mais difícil é a aprendizagem. E cabe aos pais, acima de tudo aos pais, ensinar os seus filhos. Não podemos imputar esta responsabilidade aos professores, aos outros. Somos nós, pais, que temos de o fazer. Senão teremos tanta ou mais culpa que os filhos nas atitudes que eles tomam.
Deixo-vos uma última questão. Para quando a preocupação de saberemos e prepararmos os nossos, a viver em sociedade?

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Sem imagem de perfil

Vera a 29.03.2008

Amar os filhos não significa dar-lhes tudo o que querem nem aceitar tudo o que fazem. Amar os filhos é mostrar-lhes o caminho certo e ajudá-los a segui-lo, com respeito, educação e responsabilidade.
Infelizmente muitos pais e educadores pensam que mostram que amam os filhos permitindo situações e acções absurdas e esquecem-se que o futuro lhes vai mostrar o quanto erraram...
Adorei o texto!

Beijo grande
Sem imagem de perfil

Paulo Afonso a 30.03.2008

Uma crónica ousada. Que pode ser polémica mas que é verdadeira. Gostei! E como sempre a tua posição é válida e preocupada. Mas também não és perfeita e assumes sem medos essa realidade. Uma crónica de coragem e de alerta.
Parabéns! Já te disse hoje que gosto muito de ti?
Beijos
Sem imagem de perfil

Oliver Pickwick a 31.03.2008

Escreveste 110% de verdades. Os pais confundem liberdade e responsabilidade, e estão estragando os filhos.
Metodologia educacional boa mesmo era no meu tempo: ou estuda, ou leva pau.
Beijos!
Sem imagem de perfil

Luis F a 31.03.2008

Muito mais importante do que educar os filhos é educar os pais.

O problema das atitudes dos filhos, nascem da falta de acompanhamento e de educação que os mesmos tem em casa.

A sociedade de hoje, o consumismo barato, leva a que se compre a educação e não haja educação. É mais fácil oferecer um telemóvel a uma criança do que ensinar alguns valores.

Reflexos da sociedade de hoje, eduquem os país, pois os filhos estão ainda a tempo de serem educados.

Bom texto amiga
Luis
Sem imagem de perfil

comecardenovo a 31.03.2008

Quando a sociedade viver num fosso, então surge os extremos e aí voltamos ao tempo do nada s epode fazer. A humanidade é assim, não conhece o meio termo.
Sem imagem de perfil

Angel of Light a 03.04.2008

Concordo plenamente contigo. Também eu tenho filhos, três lindas crianças que adoro, e tento lhes transmitir valores dignos, com base no respeito, na partilha, no amor ao próximo, ... Tento educá-los para que possam vir a ser os "homens" de um novo mundo. Também erro, como qualquer ser humano, mas isso só me faz crescer, amadurecer e evoluir!

Infelizmente também são muitas as histórias que conheço acerca de pais que "compram a educação" (Luis F), em vez de a "oferecerem", com o seu coração, aos seus filhos. As crianças de hoje são preciosas e, se não forem os pais a indicar-lhes o caminho certo, quem o fará? Imagine-se que, na sala do meu filho do meio, que está no 1º ano de escolaridade, já há meninos com telemóveis!?! E, ao que me contaram, estava noutro dia a ligar para a mãe para saber como se fazia um "D". Só visto!!! É a sociedade onde vivemos. Uma sociedade de puro consumismo e hipocrisia.

Beijinhos cheios de Amor, Paz e Luz!
Sem imagem de perfil

José Ferrão a 22.05.2008

Os professores deviam ver nos alunos, os pais que eles têm... ou a falta deles.
Imagem de perfil

A Miúda a 22.04.2015

Só agora é que vi este post.
Há pais que não sabem o erro que estão a cometer, depois admiram-se quando aparece nas notícias que os idosos são vítimas de violência doméstica por parte dos filhos.
Houve uma vez que o R. veio da creche com arranhões e o olho negro, na creche disseram que tinha sido à luta por causa de um brinquedo. Eu nesse momento falei porque eles não deviam incentivar a lutar e quando vêem alguma criança a agredir deviam meter-se no meio. Eu conheço o meu filho, sei que quando ele quer um brinquedo e tentam tirá-lo à força ele grita e não é pouco. Se as educadores estivessem dentro da sala com eles apercebiam-se e o R. não tinha chegado ao estado de ficar com uma data de arranhões e com o olho negro, se aquilo aconteçam e ninguém fez nada foi porque ou as educadoras não queriam saber e deixaram-nos estar à vontade ou porque nem na sala estavam...
Mas já houve outra vez que o R. chegou a casa com uns arranhões nos braços e o pai dele quando o viu queria ir falar com as educadoras porque a culpa é delas. Uns arranhões nesta idade é normal, às vezes até a brincar. Agora o olho negro... É uma história completamente diferente e nisso ele já não falou, quando o viu disse ao R. "Da próxima dá tu com mais força para ficares com o brinquedo".
Enfim... São mentalidades ao contrário.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 22.04.2015

o problema é que a maior parte dos pais não se apercebe (ou não se quer aperceber) das asneiras que fazem na educação dos filhos. Facilitam ao máximo e depois ficam admirados por terem errado. Esquecem-se que educar não é facilitar. é dar-lhes armas e bagagens para o resto da vida e ensiná-los a lidar com tudo. o pai do R. um dia vai-se arrepender tanto, mas tanto, do que tem feito... um dia o R. vai perceber que a mãe - apesar de o contrariar, de o corrigir, etc - é que o educou como deve ser
Imagem de perfil

A Miúda a 23.04.2015

Eu vejo muitos que parece mais que não se querem aperceber. Mas pronto, cada um sabe o que faz.
A "sorte" que tenho é que o pai do R. não está assim tão presente, é mais quando lhe convém por isso a educação que ele recebe do pai é muito pouca, infelizmente por vezes é suficiente para estragar a que eu lhe dou...
Imagem de perfil

Magda L Pais a 23.04.2015

Por mais que o pai do R tente (e aparentemente nalguns casos consiga), tenho a certeza que a tua educação é bastante mais consistente que a do pai e isso ajuda imenso

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.