Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Dizem que, quando morremos, vemos a nossa vida em flash. Laura, naqueles últimos minutos de vida, viu os seus últimos 25 anos, tentando perceber onde tinha errado.

Tinha sido amor à primeira vista. Assim que o viu, soube que era o amor da sua vida. E, nos primeiros anos, tinham sido felizes.

Seis anos depois, o primeiro estalo. Laura chamou-o a atenção – já nem se lembrava porquê – e ele deu-lhe um estalo. Da surpresa passou ao riso enquanto ele a abraçava e pedia desculpa. Passaram-se meses e Laura já tinha esquecido este estalo quando, depois de lhe pedir que não fizesse disparates, ele lhe deu um pontapé. Mas como ele a beijou logo de seguida, riu-se e perdoou.

Depois de quinze anos de vida em comum, Laura já estava a ficar habituada aos estalos, aos pontapés e aos murros. Mas como podia revoltar-se se ele era um bom rapaz e a abraçava e beijava logo a seguir, pedindo perdão?

E Laura perdoava. Como poderia ser diferente? Ele era o seu amor maior, a maior paixão que alguma vez tinha sentido.

Quando viu que ele tinha uma navalha, achou normal. Depois foi uma arma. E Laura achou normal. Afinal viviam numa zona problemática, ele saia muitas vezes à noite, sem que soubesse exactamente onde e com quem ia.

Quando ele começou a pedir-lhe dinheiro, Laura esforçou-se para lhe dar. Mesmo que isso significasse não comer ou não comprar os sapatos que precisava. Ele estava sempre em primeiro lugar – não é isso que fazemos por quem amamos, pensava Laura.

Quando o dinheiro acabou, as tareias a Laura aumentaram para a forçar a arranjar o dinheiro que ele precisava. Laura desconfiava que seria para drogas ou outras mulheres mas como lhe poderia fazer frente?

Enquanto morria e revia todas os estalos, pontapés ou facadas que tinha levado, Laura só pensava: e eu que te amei tanto, meu filho, porque me fizeste isto?

 

May we meet again

Texto de participação no desafio de escrita dos Pássaros

Já nomeaste os teus blogs favoritos para os Sapos do Ano 2019?

 Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conhecem o meu blog sobre livros?

Autoria e outros dados (tags, etc)


35 comentários

Imagem de perfil

Happy a 20.09.2019

Uma outra óptica sobre violência doméstica. 
Que fere...
Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Infelizmente começam a ser muitos os casos iguais a este 
Imagem de perfil

Inês Norton a 20.09.2019

Oh, Madga, deixaste-me sem palavras. Até ela dizer meu filho eu pensava que era um homem mas um filho que bate na mãe desde dos 6 anos... 
Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Quantos casos haverá por aí que as mães, por amor, os deixam fazer tudo quando são novos e depois já não os conseguem controlar?
Imagem de perfil

Sarin a 20.09.2019

Um amor de mãe, a educação, um filho de estalo, um caixão.
Bonito texto :)
Beijos
Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Obrigado! Cada vez há mais casos destes...
Imagem de perfil

Sarin a 20.09.2019

Sim, há.
Abordei a mesma perspectiva.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Ainda não li os textos todos... quando os recebo e agendo no blog não os leio senão demoro o dobro do tempo.
Imagem de perfil

Sarin a 20.09.2019

Imagino a trabalheira :) Ainda para mais quando há gente que mete vídeos que não se colam nos postais (ainda não te agradeci o suficiente!)


Já li mais de metade. Fiquei contente por ver que também pegaste no tema por aí. Porque, infelizmente, é cada vez mais premente - nas redes, na opinião publica, fala-se da violência doméstica, do abuso sexual, da violência contra crianças e jovens... mas pouco se fala do matricídio ou da violência contra idosos. É bom falarmos nisto. Não é um problema recente mas é crescente.




Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Esta foi a minha primeira aventura em escrita criativa.. e se era para ser criativa, achei que merecia ser com um tema que mexe comigo, como mãe e como filha. 


Não tens nada de agradecer, desde que enviem tudo certinho, é só copy past
Imagem de perfil

Sarin a 20.09.2019

A minha é a segunda. A primeira foi a semana passada :)
Ou as composições da escola, vá... 
Imagem de perfil

Magda L Pais a 20.09.2019

Isso já foi algures no século passado, já nem me lembro ahahhahahaha 
Imagem de perfil

Sarin a 20.09.2019

Eu prefiro nem lembrar que toda a escolaridade já foi no século passado :D :D
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Também eu, também eu 
Imagem de perfil

Alexandra a 21.09.2019

Fosga-se, caraças... cum catano!! Que texto!!
No fim fiquei sem ar. Espetacular. 
TOP, topas?
Sem imagem de perfil

Insensato a 21.09.2019

Bravo!
Tão real. Bem mais do que se possa imaginar. 
A construção do texto está também, toda ela, deliciosa. 
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Obrigado! Primeira experiência no gênero...
Sem imagem de perfil

belinha fernandes a 21.09.2019

Excelente texto, Magda. A cadência, o desfecho. É um crime hediondo, ainda mais que o parricídio, mas, por acaso, relativamente pouco falado, talvez pelo seu carácter chocante. Esta vaga de Desafios tem textos bastante dramáticos. É bom, eu conto com isso já que só me estou a ver a escrever tolices. Assim, fazem-me pensar, ainda que possa doer.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Obrigado Belinha. Foi a minha primeira experiência em escrita criativa e os vossos comentários são um bom apoio.


Deixa lá, ainda vem aí temas para a parvoíce ahabahhaha
Imagem de perfil

Sónia a 21.09.2019

Cada vez existem mais situações destas. Boa abordagem ao tema. 
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Obrigado Sónia. Infelizmente sim, são cada vez mais e pouco falados
Imagem de perfil

Mula a 21.09.2019

Que arrepio na espinha mulher!
Muito bom! Mesmo, mesmo, mesmo muito bom! Mas é mau, se é que me entendes... É muito mau porque apesar de ser só um conto não é só um conto!
Oh pá...!  Não sei se goste, não sei se odeie, odeio estas realidades, adoro o teu conto!
Ficamos assim, ponto!
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Obrigado Mulinha. Como mulher, mãe, esposa choca-me a violência doméstica, seja em que sentido for. Mas acho que, dentro do choque todo, é a violência contra os pais que mais me choca 
Imagem de perfil

Mula a 21.09.2019

É verdade... Somos uma extensão deles... Seja a violência contra filhos ou contra pais, nunca irei compreender. Todo tipo de violência é condenável mas... Contra o nosso próprio sangue? 
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Exacto. São do nosso sangue. É por isso que me choca mais
Imagem de perfil

Maria Araújo a 21.09.2019

Infelizmente, todos sabemos que há muito casos como este belo mas sofrido texto.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 21.09.2019

Verdade, Maria. Infelizmente é verdade

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.