Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


E então, está tudo bem?

por Magda L Pais, em 21.04.17

- não, estou aqui, logo não está tudo bem.

 

Fiz a pergunta do titulo a uma colega de trabalho que tem estado ausente por baixa médica e que regressou hoje. E a resposta foi esta, seguida dum sorriso.

Estranhei.

Bem sei que nem toda a gente gosta de trabalhar, nem todos gostam do que fazem e que há mil e uma maneiras de nos sentirmos no trabalho.

Também sei que me posso considerar sortuda porque gosto efectivamente do que faço, gosto de trabalhar e não me consigo imaginar parada dias a fio, a fazer nada e a olhar para ontem (ainda que me desse imenso jeito para por a leitura em dia).

Mas fiquei a pensar. Será que parte do "não gosto de trabalhar" que muitos dizem vem de atitudes negativas como esta em que se encara o trabalho como um frete, como um sacrifício? será que não melhoraria a saúde psicológica da pessoa se o encarasse de forma positiva?

Sim, eu sei, eu sou uma positivista nata, que encara tudo como um copo cheio (mesmo que esteja menos de meio) e que nem toda a gente consegue ser como eu (e outros que não me acho única). Mas se calhar, um bocadinho mais de positivismo em todos ajuda, não? aos próprios e a quem nos rodeia.

Era só isto. Agora vou voltar ao trabalho. Aquele de que gosto. Enquanto vos deixo a pensar sobre o tema.

Autoria e outros dados (tags, etc)


29 comentários

Imagem de perfil

Mena a 24.04.2017

Eu às vezes respondo "sim, tudo bem, tirando o facto de estar aqui". 
Não tem a ver com ser ou não positiva, mas sim, o trabalho para mim é um frete. É uma coisa que faço somente por dinheiro, por isso, passava bem sem horários, chefias, prazos... Tivesse eu dinheiro e seria uma feliz desocupada...
Imagem de perfil

Magda L Pais a 26.04.2017

ahahahahaha sim, já falamos sobre isso uma vez. Eu ficaria sempre a trabalhar mesmo tendo muito dinheiro :p
Imagem de perfil

Carla a 25.04.2017

Confesso que há dias, conforme falei no meu blog, em que desanimo, em que o cansaço ganha. E nesses dias não é uma questão de não querer fazer nada, de ficar parada a olhar para ontem, é de dedicar-me mais a outras coisas que me satisfazem. Mas são poucos, felizmente. Viver assim desanimada permanentemente, deve ser uma tortura. 
Sabes que às vezes o ambiente, as chefias, um colega, podem tornar o trabalho num pesadelo (a minha irmã passou por uma situação assim e se ela gosta do que faz!), e nem sempre é possível deixar o emprego, por mais do que uma razão.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 26.04.2017

neste caso a piquena em causa nem se pode queixar do ambiente. Eu sei porque ela trabalha mesmo mesmo à minha frente, tem a mesma chefia que eu e portanto eu sei de antemão o que a casa gasta.

E sim, lembro-me bem desse problema com a tua irmã, de facto

Comentar post


Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.