Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Fahrenheit 451

por Magda L Pais, em 22.07.15

f6e9c350f7b0b2482f6248e2356ad70a.jpg

Fahrenheit 451 de Ray Bradbury

Publicado em 1953 

 

Sinopse

O sistema era simples. Toda a gente compreendia. Os livros deviam ser queimados, juntamente com as casas onde estavam escondidos... Guy Montag era um bombeiro cuja tarefa consistia em atear fogos, e gostava do seu trabalho. Era bombeiro há dez anos e nunca questionara o prazer das corridas à meia-noite nem a alegria de ver páginas consumidas pelas chamas... Nunca questionara nada até conhecer uma rapariga de dezassete anos que lhe falou de um passado em que as pessoas não tinham medo. E depois conheceu um professor que lhe falou de um futuro em que as pessoas podiam pensar. E Guy Montag apercebeu-se subitamente daquilo que tinha de fazer... De implicações assustadoras, a forma como reconhecemos o nosso mundo naquele que é retratado em Fahrenheit 451 é impressionante.

 

A minha opinião

Ainda antes dos Jogos da Fome, Divergente ou Maze Runner, as distopias já existiam. Admirável Mundo Novo de Aldus Huxley abriu as portas a esse género literário do qual Fahrenheit 451 é um admirável exemplo. Mais um dos livros que eu queria reler, tendo-o feito agora.

Confesso que, de todas as distopias que já li, esta é a que mais confusão me faz. Como se atrevem a destruir livros?!?!

Nesta sociedade os bombeiros, em vez de apagarem os fogos, tem, como missão, destruir livros. Queimá-los. Nem que, para isso, as casas sejam destruídas e o dono dos livros morto. A destruição dos livros e a proibição da sua leitura fazem lei, numa sociedade em que, todas as noites, entre 9 a 10 pessoas se tentam suicidar e em que o pensamento é condicionado.

Guy Montag é um bombeiro que está feliz com a sua profissão, acreditando, piamente, que a sua profissão é necessária ao bom funcionamento da sociedade. Um dia conhece uma jovem, Clarice, que o leva a olhar para a lua e que o convida a alguma introspeção. Quando Clarice desaparece e uma velhota se imola com os seus livros para que não seja separada dos seus bens mais preciosos, Montag começa a questionar toda a sua vida e o trabalho que faz sendo ajudado por Faber, um ex-professor que vive enclausurado com medo. É Montag que dá, a Faber, uma nova vontade de viver enquanto que Montag se vê obrigado a fugir para não ser morto.

Quando li este livro a primeira vez achei que nunca tal iria acontecer no mundo em que vivo. Mas, infelizmente, e tantos anos volvidos, quando leio algumas noticias que nos dão conta de que há cada vez menos leitores e que a maior parte dos jovens nunca leu um livro inteiro, confesso que temo o pior. Temo que, um dia, os livros sejam mesmo proibidos e que deixemos de fazer perguntas.

Cabe, a cada um de nós, fazer com que esta distopia não se torne realidade. Temos todos um papel activo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Imagem de perfil

De Sara a 22.07.2015 às 17:56

Também gostei desse livro - não é nada que não se tenha já passado e que não possa voltar a acontecer...As distopias só parecem muito estranhas quando vistas de longe, de perto podem ser muito reais. Aquele cão é arrepiante...Já leste o 1984? 


[andas a ler o Eleanor? Até tive um arrepio quando vi xD]
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 22.07.2015 às 20:13

o cão é temível mesmo. Muito mau! :D
Depois de ler este e o Admirável Mundo Novo precisava de algo mais leve. A Eleanor & Park foi uma boa opção - até porque, a seguir ao que estou a ler agora (Tudo por Amor da Jodi Picoult) - vou reler o 1984 :D
Imagem de perfil

De Sara a 22.07.2015 às 20:57

Também tenho de reler o 1984 porque há alguns pormenores que já esqueci...Mas tenho medo de ficar ainda mais arrepiada do que fiquei da primeira vez...Ainda é mais real que o Fahrenheit. O tudo por amor é bom, foi para ai o segundo que li dela, não posso dizer o mesmo da Leonor - ia a meio e só conseguia pensar "mas quando é que acaba esta tortura?" Mas cheguei ao fim de algum modo...




Imagem de perfil

De Magda L Pais a 22.07.2015 às 22:53

Eu li o 1984 há imenso tempo. Quase que diria foi há séculos. Quero reler porque me lembro de muito pouco
Imagem de perfil

De M* a 27.07.2015 às 21:24

o género fantástico não me atrai mas, admito que, com a tua opinião fiquei curiosa :)
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 27.07.2015 às 23:25

estes três livros - 1984, admirável Mundo Novo e Fahrenheit 451 são quase de leitura obrigatória :D são clássicos de sociedades distópicas e, se os lermos com atenção, encontramos - infelizmente - muitas parecenças com a nossa sociedade. Infelizmente

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.