Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

Maturidade

tumblr_lh59l3PDPi1qcye1qo1_500.jpg

Sempre achei que, para ser uma adulta feliz, tinha que continuar a ser criança. Ou, pelo menos, deixar que a parte de criança nunca crescesse totalmente, apesar de, por outro lado, continuar a crescer – em tamanho, idade, atitude e maturidade.

Talvez por isso, hoje, com quase 46 anos de idade, continuo a querer ver filmes de desenhos animados, a ler livros considerados juvenis (entre outros), a jogar aos Sims e ao Monopólio, a querer que, no próximo Natal, alguém me ofereça um urso de peluche do meu tamanho e tenha um porta-chaves das kimmidoll.

No entanto…

Nunca deixei que essa criança que há em mim controle o que faço. Comecei cedo a querer trabalhar precisamente porque queria crescer. Não queria estar em casa a olhar para ontem ou a ver a relva crescer.

Fiz imensas coisas nas férias de verão – no Barreiro ou por perto – e, com 18 anos, comecei a fazer 40 kms de manhã e mais 40 kms à tarde. Apanhava o autocarro, depois o barco, a seguir o metro ou o autocarro e à tarde fazia o percurso inverso. Nunca me importei de trabalhar longe de casa. Os transportes públicos fizeram-se para isso mesmo e, se as outras pessoas conseguiam, eu também ia conseguir.

Nunca fiz birras e nunca bati o pé. Se ele quer eu também quero nunca me serviu, eu tinha de fazer por ter o que queria. Se não fiz por ter, como poderia ter? (e não me alongo aqui porque a Vanessa falou brilhantemente sobre este tema e por isso ide lá ver). É que nem me ia saber bem.

Cresci. Porque é isso que acontece a toda a gente (ou deveria acontecer). Deixei as birras, a inveja, e as brincadeiras lá atrás e cresci. Mantive a criança comigo, a parte que se adaptou à adulta e cresci.

Vivo num mundo real, onde me relaciono com as pessoas e não me fecho num quarto à espera que as coisas que caiam no colo. Não me escudo numa doença nem numa pessoa. Não vivo num sonho mas sim na rua, com pessoas de carne e osso, com passeios aqui ou ali, com livros, televisão, cinema e trabalho. Trabalho muito para que possa, nos tempos livres (e mesmo só nos tempos livres) jogar no computador, actualizar o blog ou comprar o Rossio no Monopólio.

E é tão bom ser crescida e criança ao mesmo tempo e saber conciliar as duas.

Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.