Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Sei o que estava a fazer há 18 anos...

por Magda L Pais, em 11.09.19

Acordei, naquela manhã, a pensar que as férias estavam a acabar e que, regressar ao trabalho, ao fim de mais de seis meses em casa, não ia ser pêra doce. A gaiata - a razão pela qual eu estava em casa há tanto tempo - dormia descansada no berço enquanto eu lia qualquer coisa, à espera que ela acordasse para mamar, com a televisão desligada.

Toca o telefone. Era a Paula e este foi, mais ou menos, o nosso diálogo:

  • estás a ver televisão?
  • Não, estava a ler enquanto a Maggie não acorda
  • Então liga lá, estão aqui a falar que houve um acidente em Nova Iorque e um avião bateu nas torres gémeas mas acho isso estranho, deve ser mentira
  • Quase de certeza, mas espera ai que vou ligar
  • ...
  • Olha, não é mentira, estão a repetir as imagens. Ai espera, não é repetição. Ai, não, não pode ser. Espera... não pode. Não acredito
  • Do que é que estás a falar?
  • Paula... estão as duas torres a arder... uma já estava quando liguei e agora está a outra, o que vi foi um segundo avião a bater na torre. 
  • Mas como é que dois aviões batem nas torres por acidente?
  • Não sei... quando lá estive os aviões passavam bem longe. E as torres vêem-se ao longe, muito longe mesmo. 

E a conversa continuou. 

Nas horas seguintes, e já com a companhia da minha mãe, não conseguimos tirar os olhos do televisor. Vimos as pessoas nas janelas a pedir ajuda que nunca chegou (nem sequer tinham como lá chegar). Vi  a calma desesperante de quem se atirou do último andar (a confusão que me fez o ar sereno de quem optou por morrer desta forma). Vi a vergonha e o alivio nos olhos de quem conseguiu sair a tempo. Vi as noticias sobre os outros aviões desviados para outros atentados.

E vi a queda de ambas as torres, as mesmas onde tinha estado uns anos antes com os meus pais e irmãs. E foi precisamente neste momento que senti medo. Um medo entranhado e visceral, um medo assustador. Não por mim mas por aquela criança que, com pouco mais de 4 meses, estava deitada, inocentemente no berço e que eu tinha trazido a um mundo que tinha, naquela manhã, perdido o rumo.

Morreram quase três mil pessoas durante os ataques. Quem alguma vez esteve nas Torres Gémeas pensará sempre que foram poucas, dados os milhares de pessoas que, diariamente, visitavam e trabalham naqueles edifícios. 

Primeiro dia do século XXI, dizem hoje - 18 anos depois - alguns jornais. A perda da inocência do mundo ocidental, diria eu. Até àquele momento achávamos que os atentados e as mortes de civis eram exclusivos de países em guerra, terceiro mundo. Naquele dia perdemos a inocência. Quiserem que começássemos a viver com medo. E eu, que naquele dia, há 18 anos, tive medo, hoje respondo-lhes que não sei viver com medo.

Aconteça o que acontecer, a minha vida não será vivida com medo.

E vocês? sabem o que estavam a fazer há 18 anos?

May we meet again

Conheces o desafio de escrita dos Pássaros?

Já nomeaste os teus blogs favoritos para os Sapos do Ano 2019?

 Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conhecem o meu blog sobre livros?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Maribel Maia a 11.09.2019 às 10:54

Ia começar uma nova etapa, começava a faculdade! 
Que tristeza mundial se abateu! 
Imagem de perfil

De Bla bla bla a 11.09.2019 às 11:27

Infelizmente acho que toda a gente sabe onde estava ou o que estava a fazer quando viu essa triste notícia 
Sem imagem de perfil

De Ana Cristina a 11.09.2019 às 19:51

À 18 anos eu tinha 6 anos e lembro me de estar em casa dos meus avós a brincar com os meus primos quando ouvi os meus pais e tios chocados com o que estava a acontecer! Lembro me de pouca coisa, mas senti muita coisa ao mesmo tempo, fiquei triste, chorei, revoltei me e ao mesmo tempo sentia me confusa pois não entendia como aquilo podia acontecer... foi um dia que ficou marcado!
Um enorme beijinho **
Imagem de perfil

De Miluem a 11.09.2019 às 22:49

Estava a trabalhar e a minha mãe telefonou-me para o trabalho.
Lembro-me de ela estar chocada com as imagens e com medo de uma guerra mundial.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.