Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


IEFP lança primeiro concurso para apoiar contratação de desempregados de 2017 e as empresas podem receber 3.791,88 euros por cada contrato sem termo celebrado dentro de determinadas condições.

E até tudo bem.

Este valor pode até ser majorado em 10% se a contratação reunir outras condições... Com as quais concordo plenamente: desempregados (independentemente do tempo de inscrição) em situação mais desfavorecida, designadamente os que sejam beneficiários do rendimento social de inserção, apresentem deficiência e incapacidade, sejam refugiados, ex-reclusos ou toxicodependentes em processo de recuperação ou se encontrem inscritos no IEFP há 25 ou mais meses. Perfeito.

Há uma majoração adicional e cumulativa de 10% se o posto de trabalho criado for “localizado em território economicamente desfavorecido”. Muito bem, Promover o emprego em zonas desfavorecidas. Parece-me lindamente.

E por fim... Os montantes a atribuir poderão ser majorados em mais 10% se o desempregado estiver a receber o rendimento social de inserção, tiver deficiência e incapacidade, integrar uma família monoparental, tiver o cônjuge também desempregado, tiver sido vítima de violência doméstica ou for refugiado, ex-recluso ou toxicodependente em processo de recuperação.

Como? Vítima de violência doméstica? As empresas vão ter benefícios se contratarem vítimas de violência doméstica? 

Antes de mais, deixem-me dizer-vos que sou da opinião que as vítimas de violência doméstica merecem todo o meu respeito e, no meu entender, todos os apoios que o estado possa dar para recomeçarem a sua vida.  Sem dúvida alguma!

Agora... condicionar o apoio a uma empresa à contratação duma vitima de violência doméstica já me faz alguma confusão, ainda para mais considerando alguns empresários que conheço.

É que parece que estou a ver as entrevistas de emprego: Olhe, a sua mulher bate-lhe? não? ah então desculpe mas não serve. Vá lá para casa e peça-lhe o favor de o espancar umas vezes e depois volte cá para o contratar a ver se eu ganho uns trocos a mais.

Ou se calhar sou eu que estou a imaginar coisas...

Falando um pouco mais a sério, conheço uma ou duas vítimas de violência doméstica e se há coisa que lhes é comum (para além do passado violento) é a vergonha do que passaram, a dificuldade em falar no tema e o não quererem ser conhecidas como vitimas. Ao incentivar as empresas a contratar estas pessoas porque foram (ou são) vítimas de violência doméstica é vitimizar ainda mais, é obriga-las a falar no assunto com desconhecidos que podem não saber como tratar o assunto com o respeito que merece.

E isto, mais do que tudo, faz-me confusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Narciso Santos a 27.01.2017 às 08:55

Outra "lei" estúpida...
Devem por um lado querer levar mais pessoas a denunciar tais abusos, se é esta a intenção, não acredito que trará resultados práticos.
Por outro lado conhecendo o nosso povo e a sua forma de dar a volta ás coisas, ou vão começar a disparar queixas, uma verdadeiras outras nem tanto...
Por outro lado, quem diabo numa entrevista vai perguntar tal coisa, ou irá aparecer no anúncio como requisito obrigatório, falar 2 línguas e ter sido vitima de violência doméstica (por favor fazer prova do mesmo)...
Acho estas situações cada mais ocorrentes no nosso país execráveis, e acho que deve haver outras melhores formas de prevenir a ajudar quem as sofre.
Sem imagem de perfil

De Sandra Wink.Wink a 28.01.2017 às 17:41

Num telefonema para marcar entrevista, perguntaram-me se o meu marido estava desempregado, porque nesta fase estavam apenas a contratar no caso dos dois estarem desempregados. E não, não era para contratarem também o meu marido, era por caso dos apoios que receberiam.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.