Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stone Art

Coisas soltas da vida que povoam o meu quotidiano. Sem amarguras nem fatalismos, com aceitação, simplicidade, ironia e alegria. Sejam bem vindos a esta minha casa.

As incongruências de mudar de morada

mudanc3a7adecasa.jpg

Já vos contei que mudei de casa. Ainda não vos contei todas as (des)venturas com essa mudança mas hei-de fazê-lo.

O que vos quero contar hoje está, na realidade, relacionado com a mudança de casa mas é mais na parte de mudar de morada nas centenas de instituições, sejam elas maiores, mais pequenas ou assim assim.

Pensava eu que mudar a morada seria coisa simples e que o procedimento seria mais ou menos lógico e feito de forma fidedigna, ou, pelo menos, com garantias. 

Puro engano.

Ora vejam como foi em algumas entidades (que vou identificar descaradamente!).

Unibanco - Acedi à área reservada do unibanco connect. Aquela que me dá todas as informações sobre o cartão de crédito, pensando que haveria uma opção para actualização dos dados pessoais (incluindo a morada) e que permitisse enviar o comprovativo (sendo o Unibanco uma entidade financeira está sujeita às mesmas regras que os bancos e é obrigatório entregar o comprovativo de morada). Nada disso. Tive de telefonar para a linha de apoio e de seguida enviar um email a pedir a alteração, enviando, o comprovativo de morada em anexo. Do mal o menos, uma vez que recebo a maioria da correspondência por email e como enviei o pedido de alteração por email, faz algum sentido.

Deco - Na área reservada não tem qualquer opção para fazer esta alteração. Liguei para o apoio e perguntei como deveria fazer. Pediram-me a nova morada e o numero de associado e pronto, já está. Não fizeram qualquer pergunta adicional, não sabem se a pessoa que está a ligar é mesmo o associado, não confirmam quaisquer dados. Um telefonema simples e já está.

Cetelem - Quase a mesma história do Unibanco mas com exigência duma factura de serviços. Ora se a água, electricidade, gás, etc, está em nome do meu marido porque ele é que lá foi tratar, como é que eu provo que moro lá?... Na maioria das instituições financeiras basta que a factura esteja no nome dum dos membros do casal (ou pelo menos nos casos em que conheço). Vamos ver se aceitam o documento de mudança de morada no cartão de cidadão.

Rádio Popular e Cartão Continente - acesso à área reservada, alteração dos dados pessoais, e pronto, já está.

Victoria Seguros - não tem área reservada. Contactei para a linha de apoio, fizeram duzentos e vinte e nove mil perguntas para confirmar a minha identidade e, por fim, a resposta: tem de enviar por carta ou email, mas não precisa de enviar comprovativo de morada. Então mas se não tem qualquer email meu e não sabem se o email de onde vou enviar é meu, como é que alteram? Não o poderiam fazer pelo telefone já que tinham confirmado a minha identidade com as questões todas que colocaram?

Desconfio que, nos próximos meses, ainda vou andar a mudar moradas. Apesar de receber quase tudo por email, ainda há muita coisa que nos chega em papel. Vou fazendo as alterações conforme as cartas surgirem e, quem sabe, umas serão mais fáceis que outras. Valha-nos que, com a mudança da morada no cartão de cidadão (tive de pedir um novo porque perdi o código pin e sem isso não podia fazer alterações), fica a morada mudada em quase todos os serviços governamentais! senão seriam mais uns dias perdidos.

 

Entretanto...

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conhecem o meu blog sobre livros?

Um dia a casa vem abaixo *

med_1494483628_image.jpg

Mudei de casa. Cumpri um sonho antigo de ir viver para uma moradia, numa aldeia, sem poluição sonora e onde a poluição ambiental é reduzida.

Confesso que sempre pensei que só o poderia fazer quando me reformasse (se é que algum dia o vou fazer) uma vez que continuo a trabalhar em Lisboa e a questão do trajecto trabalho/casa/trabalho preocupava-me. Só que um dia do ano passado, fartos de algumas situações menos agradáveis, decidimos, os quatro em conjunto, arriscar.

Depois da decisão, foi a fase da procura da casa perfeita para nós. Preferimos uma casa usada, talvez a precisar de obras e, acima de tudo, num sitio que permitisse a mobilidade dos miúdos e a minha. Eles porque queriam continuar na mesma escola e nós queríamos que fossem o mais independentes possível. Ou seja, que não dependessem de nós para saírem com os amigos, irem ao cinema ou irem para as aulas. E a minha porque o meu local de trabalho continua a ser o mesmo. Obviamente tivemos em conta as 5 dicas a considerar antes de comprar casa e, depois de muito procurarmos, encontramos a casa perfeita.

Mudamos no último sábado.

Não fizemos ainda a escritura mas já lá estamos. Na semana antes da mudança foram as pinturas interiores e ai não houve, felizmente, qualquer surpresa.

O pior foi depois. Já nos aconteceu tanta coisa que só visto. Não que estejamos arrependidos da mudança mas, claramente, sentimos que um dia a casa vem abaixo *

Valha-nos que sabemos que, tal como no filme, no fim tudo acabará bem. E o sítio vale pelos revezes. Já cá volto para vos contar tudo.

 

Entretanto...

Que esperam para me acompanhar no facebook e no instagram?

Conhecem o meu blog sobre livros?

 

 

* ou The Money Pit. E, para quem ainda não viu o filme com este titulo, sugiro vivamente que vejam.

Mais uma lavagem

Queridas pessoinhas que visitam esta humilde casa que tanto gosta de vós e das vossas visitas, não estranhem ao entrar mas fiz uma nova Lavagem de paredes e mudança de mobília com uma ajuda que aceitei na hora.

Digam lá que não ficou um trabalho excelente? Eu, que não sou nada suspeita, fiquei completamente apaixonada.

Obrigado, muito muito obrigado a quem teve a paciência de me ajudar!!! Adoro a minha casa nova e espero que todos vós gostem também.

Lavagem de paredes e mudança de mobília

Depois de descobrir que já se podia colocar, nos blogs, os Posts sugeridos, a opção que faltava (para mim) para tornar as casas deste bairro ainda mais atraentes, percebi que o meu template não permitia esta opção.

E chorei (pronto, não literalmente, mas quase). Chorei muito (ou então não)... a seguir fui à janela e atirei-me da ponte. Pronto, ok, estou em casa, a ponte é a 30 km daqui, mas isso agora não interessa nada.

A seguir gritei:

Socorro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ninguém me ouviu. Bom, talvez as cadelas tenham ouvido mas elas não me ligaram nenhuma.

Respirei.

E resolvi lavar a cara (a do blog, que a minha estava seca), mudar as mobílias de sítio - again, as do blog que as da sala são demasiado pesadas para as mudar sozinhas - e pronto, aqui estamos, de aspecto novo. E olhem, eu gosto. Espero que as pessoinhas queridas e simpáticas que me visitam também gostem. E aproveitem para visitar os Posts sugeridos aqui mais abaixo.

Velho do Restelo

 

Mas um velho, de aspecto venerando,

Que ficava nas praias, entre a gente,

Postos em nós os olhos, meneando

Três vezes a cabeça, descontente,

A voz pesada um pouco alevantando,

Que nós no mar ouvimos claramente,

C'um saber só de experiências feito,

Tais palavras tirou do experto peito:

Os Lusíadas, Canto IV, 94-97 (Luis Vaz Camões)

Na última semana as estrofes acima vieram-me várias vezes à memória. Não que tivesse pegado na minha nau para descobrir o caminho marítimo para a India mas porque, assim de repente, aconteceram várias mudanças e eu, tal como o Velho do Restelo de Camões, sou avessa às mudanças.

Na verdade, eu acho que todos os seres humanos são avessos à mudança. Só temos é formas diferentes de reagir à mudança.

Uns sabem que, o mundo pula e avança com as mudanças e por isso aceitam-nas bem.

Outros, onde me incluo, quando as coisas mudam acham sempre que é para pior, andam que nem umas baratas tontas nos primeiros tempos, mas depois começam a perceber que, afinal, as mudanças foram positivas.

E outros estrebucham, gritam, ofendem, e até são inconvenientes com quem originou a mudança.

A mudança do Sapo Blogs mostrou-me, mais uma vez, isto mesmo. Enquanto uns gostaram imenso logo no primeiro dia e foram apoiantes entusiastas da mudança, e outros passaram para a ofensa quase pessoal e estão a ameaçar retirar os seus blogs desta plataforma, eu tive quase vontade de me atirar da ponte. Ainda não me tinha habituado ao novo Office no trabalho (passamos do 97 para o 2010), era o primeiro dia do Windows 8.1 no computador de casa e levo com a mudança do meu sapinho. Epá, mudanças a mais ao mesmo tempo e o resultado foi que o tico e o teco ficaram que nem baratas tontas.

Ao mesmo tempo que me sentia assim, pensei numa coisa que aprendi à uns tempos – só nos devemos aborrecer a sério com as coisas que estão na nossa esfera de influência. E das mudanças todas acima que me estavam a irritar, nenhuma delas estava na minha esfera de influência. Eu não decido que Office se utiliza no emprego, já não se vendem computadores com o Windows 7 e quem decide as mudanças do Sapo Blogs é o Sapo.

Posto isto, resta-me respirar fundo, deixar de ser a Velha do Restelo e adaptar-me a todas estas mudanças. Tenho a certeza que vou conseguir. E se eu consigo, vocês também conseguem.