Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Uma paixão chamada livros #4

por Magda L Pais, em 04.05.15

4117_1881.jpg

Já conheceram o meu livro favorito, o livro detestado e livro subvalorizado. Hoje vou falar naquele que acho que é: 

Livro sobrevalorizado

Hesito nesta resposta. E hesito porque, num caso tentei ler o livro, mas no outro não. 

Comecemos por aquele de que só li excertos. A trilogia Cinquenta Sombras de Grey de Erika Leonard James. Sinceramente não consigo perceber - nem de perto nem de longe - o fenómeno à sua volta. Para além da clara violência psicológica e das cenas pornográficas (ainda por cima pouco originais e mal descritas), o que li não me inspira. E antes que me acusem de ser pudica, deixem-me dizer-vos que leio com toda a naturalidade cenas de sexo em vários livros e que algumas estão bastante bem (d)escritas. Não é este caso.

ng2066502.jpeg

Mas há ainda o livro que tentei ler. Falo do 2666 de Roberto Bolaño. Eu tentei, juro que tentei. Ouvi falar tão bem dele que tentei. E não passei das primeiras 75 páginas... achei-o confuso, sem sentido e sem nexo. Admito que haja quem tenha gostado e que o considere excepcional. Não foi o meu caso.

82-bol-doi.jpg

E agora dêem lá um pulinho ao blog da M* que me acompanha neste desafio que começou a 1 de Maio e que dura 45 dias seguidos. Vamos partilhar gostos e experiências sobre o mundo dos livros e, ao mesmo tempo, pensar e a reflectir sobre os livros que já lemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


45 comentários

Imagem de perfil

Sara a 04.05.2015

Eu no início pensei que era apenas mais um livro mau, mas depois tb comecei a ler algumas coisas e fiquei tipo wtf?! Não tenho qualquer problema com bondage, mas aquilo não é - aquilo é abuso. Se calhar eu tb devia arranjar um namorado psicopata xD
Imagem de perfil

Sara a 04.05.2015

Já ouvi falar....Também tem psicopatas destes?
Imagem de perfil

Magda L Pais a 04.05.2015

ora, pois que não.
Esta colecção pertence à literatura de fantasia. parte da sociedade está dividida pelas suas preferências sexuais e a personagem principal pertence à casta (parece-me o nome mais lógico) dos que são masoquistas em último grau. Ao longo de todo o livro ficamos a conhecer várias práticas de bondage, sadomasoquismo, etc. Mas tudo com contratos, acordos, palavras secretas, etc e com muito mas mesmo muito respeito entre as partes
Imagem de perfil

Sara a 04.05.2015

Claro...Não há mal nenhum em tais práticas. Simplesmente aquilo que é tratado nas sombras é abuso e não bondage - também se pode escrever sobre violência doméstica sem colorir aquilo com romantismo, que acho que é o problema deste livro.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 04.05.2015

ora ai está. Eu comparei os dois livros. O Dardo que li na integra (são dois volumes) e as partes que li das Sombras. O dardo ganha em todos os aspectos precisamente porque não romanceia a coisa. é assim porque ela é assim mas apesar de o ser, há respeito entre os dois praticantes. coisa que não vi nas poucas partes que li das sombras
Imagem de perfil

Sara a 04.05.2015

Exacto...Num dos meus livros favoritos (a servidão humana) o protagonista envolve-se numa relação abusiva - mas em nenhum momento se refere que essa situação é romântica ou é a melhor. Ainda por cima acabam casados ou o que é - se uma pessoa casa com um tipo daqueles na vida real vai acabar sete palmos debaixo da terra.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 04.05.2015

sim, essa do casamento também é estranha. Então com tanto abuso e depois casa-se? não faz sentido
Imagem de perfil

Sara a 04.05.2015

O problema é que na vida real para algumas mulheres parece fazer todo o sentido..
Imagem de perfil

Magda L Pais a 04.05.2015

é isso que me assusta no sucesso que o livro tem.. como é que alguém pode achar romântico e que faça sentido uma situação dessas?
Imagem de perfil

Sara a 05.05.2015

Também há quem diga que não tem mal nenhum, que ela diz que sim logo não tem mal e que é apenas um livro...Perturbador realmente.
Imagem de perfil

Magda L Pais a 05.05.2015

apenas um livro? ...
mesmo que ela diga que sim, há coisas que um sim não justifica
Imagem de perfil

Sara a 05.05.2015

Pois, acho que as pessoas que gostam de ler sabem o poder que um livro tem para o bem ou para o mal...Não devia justificar mas há quem julgue que sim: uma mulher que vive anos numa situação de violência domestica consente e no entanto isso não justifica a situação....Ao menos este livro serviu para mostrar as ideias estranhas de algumas cabeças!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.